O que o brasileiro pensa?
14 de janeiro de 2020, 10h15

Wagner Moura: “A forma que o governo escolheu para censurar a cultura foi aparelhar instituições”

Diretor de Marighella, Wagner Moura diz que Ancine usa instrumentos burocráticos para censurar o filme no Brasil. Para ele, Jair Bolsonaro age com "vingancinha" contra a classe artística, que foi resistência à sua eleição

Wagner Moura e Seu Jorge, em set de filmagens de Marighella (Divulgação)

Em entrevista a Leonardo Sakamoto, no portal Uol nesta terça-feira (14), o ator Wagner Moura, diretor do filme “Marighella”, voltou a dizer que o longa-metragem não foi lançado no Brasil por censura.

“Como grande empresa, a O2 não pode chegar e dizer que a Ancine censurou o filme. Mas eu posso. Sustento o que já disse. É uma censura diferente, mas é censura, que usa instrumentos burocráticos para dificultar produções das quais o governo discorda. Não há uma ordem transparente por parte do governo para que isso aconteça, no entanto já vimos Bolsonaro publicamente dizer que a cultura precisa de um filtro. E esse filtro seria feito pela Ancine. A forma que o governo escolheu para censurar a cultura no Brasil foi aparelhar instituições, como a Ancine, uma vez que nosso cinema, nosso teatro, ainda são – infelizmente – dependentes de recursos públicos”, afirmou.

Segundo Moura, a agência, capitaneada pelo secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, negou pedidos de produção para o lançamento do filme e não tem nenhuma relação com os boatos sobre calote sobre a obra, como vem sendo propagado por bolsonaristas.

“O que aconteceu é que um documentário, “O Sentido da Vida”, ainda não ficou pronto. Qual a praxe? As produtoras pedem à agência uma prorrogação para entrega do documentário. Como a instituição está acéfala, com um vácuo interno, não houve resposta. Com isso, a empresa entrou com um mandado de segurança”, afirmou.

Para Moura, Jair Bolsonaro age com “vingancinha” contra a classe artística, que foi resistência à sua eleição.

“Nós artistas fomos uma base grande de resistência à eleição de Bolsonaro e a grande maioria segue se opondo ao governo. Por isso, ele age com vingança, é um governo que se notabiliza por ser um governo vingativo. Mas quebrar um setor econômico importante por vingancinha não faz sentido. Porque não somos nós artistas apenas, é a pessoa que dirige o caminhão, a que faz a marcenaria da cenografia, quem cozinha para todo mundo, são uma série de ramos produtivos que estão envolvidos na indústria criativa. Muitos podem quebrar com isso”.

Leia a entrevista na íntegra

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum