Imprensa livre e independente
06 de agosto de 2018, 17h03

Curuguaty: Suprema Corte do Paraguai absolve camponeses por unanimidade

Segundo os ministros da Suprema Corte do Paraguai, não ficou provada a participação dos camponeses nos crimes julgados - invasão de imóvel alheio, associação criminal e homicídio doloso

A Suprema Corte de Justiça do Paraguai revogou por unanimidade a sentença de 11 camponeses condenados em 2016 pelo caso conhecido como “massacre de Curuguaty“. A decisão determina a imediata libertação dos detidos por conta de severas falhas na investigação e no processo. Segundo os ministros da Suprema Corte, não ficou provada a participação dos camponeses nos crimes julgados – invasão de imóvel alheio, associação criminal e homicídio doloso. A sentença revogatória da Suprema Corte questiona também o trabalho da Promotoria de Justiça – alvo de muitas denúncias de organizações locais e internacionais durante os últimos seis anos. Isso indica...

A Suprema Corte de Justiça do Paraguai revogou por unanimidade a sentença de 11 camponeses condenados em 2016 pelo caso conhecido como “massacre de Curuguaty“. A decisão determina a imediata libertação dos detidos por conta de severas falhas na investigação e no processo. Segundo os ministros da Suprema Corte, não ficou provada a participação dos camponeses nos crimes julgados – invasão de imóvel alheio, associação criminal e homicídio doloso.

A sentença revogatória da Suprema Corte questiona também o trabalho da Promotoria de Justiça – alvo de muitas denúncias de organizações locais e internacionais durante os últimos seis anos. Isso indica graves irregularidades cometidas, a falta de investigação sobre a morte dos 11 camponeses e a suspeita de torturas e execuções extrajudiciais durante a operação policial de 2012.

No Paraguai, 90% da terra pertence a 12 mil grandes proprietários, enquanto que os 10% restantes se dividem em 280 mil pequenas e médias propriedades, segundo o estudo Os Donos da Terra no Paraguai, publicado pela ONG Oxfam em 2016.

Veja também:  Kennedy Alencar: "choro moça, sou homem que chora...."

Nesse contexto de profunda desigualdade na distribuição de terras, mais de 120 famílias camponesas de Curuguaty – inclusive vítimas e familiares das vítimas do massacre  promovido em 2012 – estão há 12 anos exigindo o uso das terras de propriedade estatal para moradia e cultivo de alimentos.

“Consideramos a revogação da condenação dos camponeses um grande avanço na busca por Justiça”, diz Simon Ticehurst, diretor da Oxfam para a América Latina e Caribe. “Esperamos que o Estado promova agora uma investigação completa, imparcial e independente do caso Curuguaty, de acordo com as recomendações do Conselho de Direitos Humanos da ONU, e garanta uma reparação integral a todos os que foram afetados pelo caso, incluindo aí acesso à terra para as famílias camponesas.”

De acordo com o estudo da Oxfam, a concentração da terra está ligada ao êxodo rural, à captura de recursos naturais e bens comuns, à degradação do meio ambiente e à formação de uma poderosa elite associada a um modelo agrícola baseado no latifúndio de monocultivo, voltado à produção de commodities para exportação e não para a produção de alimentos. É preciso reconhecer que a desigualdade é um grave e urgente problema no Brasil e que sua solução passa por transformações em suas causas estruturais.

Veja também:  Rede de fast food que Eduardo Bolsonaro diz ter trabalhado não vende hambúrguer

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum