Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de novembro de 2019, 21h41

20 de Novembro é dia de dizermos que a população negra existe, por Solange Massari

Talvez os caros deputados não sabem que, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 75,4% das vítimas pelas polícias brasileiras eram negros

Foto: Lula Marques

Por Solange Massari*

Na data de ontem, vergonhosamente o chamado Deputado Federal CORONEL Tadeu e seu amigo Deputado Daniel Silveira, do mesmo partido, protagonizam um show de racismo e de negarem o genocídio da população negra no Brasil.

Talvez os caros deputados não sabem que, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 75,4% das vítimas pelas polícias brasileiras eram negros. Em busca de entender qual o perfil das vítimas da letalidade policial no Brasil, o Fórum investigou 7.952 registros de intervenções policiais terminados em morte, no período de 2017 e 2018. O levantamento foi divulgado na 13ª edição do Anuário da Violência, que compila e analisa dados de registros policiais sobre criminalidade, o sistema prisional e os gastos com segurança pública.

Mas talvez para ambos, todos são “bandidos e merecem a morte” , mas vamos mostrar quem são os bandidos pretos e pretas:

Kauê Ribeiro dos Santos, de 12 anos, foi baleado durante operação policial no Chapadão, na Zona Norte do Rio;

Kauã Rozário, de 11 anos, foi atingido por uma bala perdida na comunidade da Vila Aliança, em Bangu, Zona Oeste do Rio, seu crime andava de bicicleta no último sábado;

Kauan Peixoto, de 12 anos, foi baleado durante confronto entre PMs e criminosos na comunidade da Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense;

Jenifer Silene Gomes, de 11 anos, foi baleada na porta do bar da mãe em Triagem, na Zona Norte do Rio, seu crime ter chegado da escola e estar descascando cebolas na porta do bar da família quando foi atingida;

Letícia Tamirez Gazol Ferreira, 9 anos, estava a caminho da Escola municipal Aline Gonçalves, no Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias, quando foi baleada no tórax e braço. Havia um assalto e a polícia interviu. Além de Letícia, seu primo, de 6 anos, foi ferido por estilhaços; um vendedor de café foi baleado na barriga e 3 pessoas morreram. Letícia sobreviveu;

Um bebê de 1 ano e 10 meses que não teve a identidade revelada foi baleado no pé esquerdo na Favela da 48, em Bangu. Ele estava no colo da mãe, que a caminho da Igreja, também foi baleada e morreu. Ela levou 10 tiros ao ficar no meio do fogo cruzado em uma ação da PM no local para “coibir confrontos armados entre grupos rivais”. Outras duas pessoas foram mortas. O bebê sobreviveu;

Ágatha Félix, morreu aos 8 anos no Conjunto de Favelas do Alemão, seu crime estava em uma perua indo para casa com sua mãe;

Kethellen Umbelino de Oliveira, 05 anos , morreu baleada, seu crime, estava indo para a escola com sua mãe.

É vergonhoso ver esses dois homens, que representam a malfadada elite brasileira que desprezam seu povo, negam que a Policia mata, e pior reproduzem em seu ato e em palavras a morte mais uma vez de um povo que é a maioria dos brasileiros. É desprezível demais vermos homens que negam a própria história. Ambos cometeram um grave crime contra a sociedade brasileira. Além de negarem que temos uma policia despreparada, racista e que mata pelo simples fato de alguém ser negro, ainda estimulam a violência. Nós brasileiros pagamos seus salários e todos os privilégios que desfrutam da cadeira que se sentam e essa contribuição não vem de pessoas brancas, porque o dinheiro que esta nas contas bancárias faz parte dos impostos pagos pelos negros e negras desta sociedade.  A comida que vem para suas mesas, a conta esta paga por nós brasileiros trabalhadores explorados e esfolados por vocês.

Qual projeto digno fizeram esse ano? Será que ja mandaram para o Congresso a volta do pelourinho? Ou a venda das chibatas? Porque de ambos, apenas esse tipo de projeto devemos esperar.

Vergonha, muita vergonha de ainda existir pessoas poluindo o mundo. Mas peço perdão ao povo negro deste Brasil, peço perdão porque minha ancestralidade contribuiu com esse horror que temos até hoje. E na irmandade que nos une eu peço perdão e  “Ao contrário do homem branco, o africano quer o universo como um todo orgânico que tende à harmonia e no qual as partes individuais existem somente como aspectos da unidade universal”.  Ubuntu

*Solange Massari – BRANCA, MULHER, MÃE SOLO, ASSISTENTE SOCIAL, ATIVISTA PELOS DIREITOS HUMANOS e SEM MEDO DE DIZER RACISTAS NÃO VÃO PASSAR!

Texto enviado para os dois deputados e para o Congresso

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum