O que o brasileiro pensa?
13 de julho de 2020, 16h24

30 anos do ECA: O estatuto ta aí, só falta cumprir; por Mônica Francisco

"Crianças e adolescentes são as mais vitimadas por todas as formas de violências. Em termos de políticas estamos longe de alcançarmos níveis condizentes com a colocação do país no ranking das economias mundiais"

Foto: Arquivo pessoal

Por Mônica Francisco*

A promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente, em 13 de julho de 1990, através da Lei Federal 8069/90, insere o Brasil no grupo de países que assumem o compromisso prioritário com suas infâncias e juventudes.

Vivíamos, até então, regidos pelo Código de Menores, Decretos nºs 5.083 de 01/12/1926, 17.943 de 12/10/1927 e as Leis nºs 4.655 de 02/06/1965, 5.258 de 10/04/1967, 5.439 de 22/05/1968 e 6.697 de 10/10/1979. É necessário e importante observar que entre o intervalo do último decreto da Velha República, no Estado Novo e a primeira lei do período da Ditadura Civil-militar há um intervalo de 38 anos.

Os órgãos governamentais criados neste período (SAM – Serviço de Assistência ao Menor e FUNABEM – Fundação Nacional de Bem Estar do Menor) seguiam a doutrina da “ situação irregular”. Esta doutrina considerava a situação de pobreza, entre outras, uma prerrogativa para o Estado, através do Poder Judiciário, assumir a tutela de crianças e adolescentes com a destituição do pátrio poder, isto é, retirava, em várias ocasiões de forma traumática, crianças do ambiente familiar.

A partir de meados da década de 70 e início da década de 80 do século passado, cresce, em paralelo à luta pela Anistia Política, redemocratização e eleições diretas para cargos executivos, principalmente para a Presidência da República, um movimento capitaneado por educadores e educadoras sociais, ex-internos e internas da FUNABEM, OAB, CNBB – através das Comunidades Eclesiais de Base, entre outras organizações da sociedade civil, um movimento de âmbito internacional em defesa de direitos humanos para crianças e adolescentes.

Estes grupos foram fundamentais nas mobilizações da sociedade civil para coleta de assinaturas para proposições de leis que beneficiassem os grupos vulneráveis na Assembleia Nacional Constituinte: as emendas de iniciativas populares com as assinaturas de milhares de pessoas que possuíssem título eleitoral. O artigo 227 da Constituição Federal é fruto desta mobilização.
O Estado Brasileiro, no bojo do processo de redemocratização, muito criticado nos fóruns internacionais em defesa dos direitos humanos, em consonância com A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adere aos tratados internacionais de defesa dos direitos de crianças e adolescentes.

A partir da regulamentação do artigo 227 da Constituição Federal, foi criado o Estatuto da Criança e do Adolescente e sua promulgação, isto é, a assinatura pelo Presidente da República em exercício, Fernando Collor de Mello, deu-se no dia 13 de julho de 1990: LEI Nº 8.069/90.

O Estatuto da Criança e do Adolescente, no seu artigo 4º, determina que: “ É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”.

Nestes trinta anos de vigência do Estatuto da Criança e do Adolescente constatamos, diariamente, as mais diversas formas de violações e negligências. Crianças e adolescentes são as mais vitimadas por todas as formas de violências. Em termos de políticas estamos longe de alcançarmos níveis condizentes com a colocação do país no ranking das economias mundiais. Temos um dos maiores índices de desigualdade sociais no mundo, atingindo sobretudo a população negra e indígena, com claro recorte de raça.

O Estatuto da Criança e do Adolescente é considerado o dispositivo legal mais avançado por especialistas da área da infância e adolescência.
Dizem os opositores do Estatuto que esta é uma lei muito avançada para a realidade brasileira. A estas pessoas respondemos: Mudemos a realidade para cumprirmos a lei.

Trinta anos de Estatuto da Criança e do Adolescente e temos que repetir o grito de crianças, adolescentes, educadores e educadoras sociais, juristas, profissionais liberais e representantes de todos os estados brasileiros, em Brasília no ano de 1992.

“O ESTATUTO TAÍ, SÓ FALTA CUMPRIR!”

*Mônica Francisco é deputada estadual no Rio de Janeiro e ativista de Direitos Humanos com atuação na defesa de crianças e adolescentes

*Esse artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum