Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
02 de dezembro de 2019, 22h36

Militarização de escolas públicas, por Waldeck Carneiro

A escola pública deve ser gratuita, laica, civil e universal, de modo que possa dialogar com diferentes religiões, raças, classes, gêneros, manifestações culturais, valores, instituições, de forma respeitosa e democrática

Foto: Divulgação

Por Waldeck Carneiro*

Em mais uma ofensiva ultraconservadora sobre a educação, sobressai a pauta da militarização das escolas públicas como panaceia para o aprimoramento da formação de nossas crianças, adolescentes e jovens, com base na disciplina militar e na inculcação de valores cívicos.

Não se trata simplesmente da ampliação de escolas públicas vinculadas a corporações militares, o que já seria questionável, tendo em vista que tais corporações, dependendo de sua natureza, deveriam aprofundar sua ação em áreas como defesa nacional (Forças Armadas), prevenção e enfrentamento à violência (Polícia Militar, com o debate sobre sua desmilitarização ainda insuficientemente realizado) ou defesa civil (Bombeiros, cuja estrutura militarizada já é um excesso). Trata-se, a rigor, de algo mais grave: a militarização das escolas públicas laicas e civis, vinculadas às secretarias de educação.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Bolsonaro e Witzel, alinhados do ponto de vista ideológico, mas em processo de distanciamento por razões meramente eleitorais, propagam a militarização da educação básica e de suas escolas como a salvação da educação pública nacional. Nada mais equivocado e constrangedor! Em um país com pesquisa educacional e pós-graduação em educação consolidadas há cinquenta anos, aqueles líderes fascistas, com soberba e ignorância, desconhecem que não há absolutamente nada no conhecimento sobre gestão escolar, currículo e avaliação que fundamente tamanha bizarrice. Afinal, onde estão as evidências teóricas e empíricas de que a disciplina militar é o fator preponderante para a qualidade da escola?

A literatura especializada enfatiza outros fatores: a valorização dos profissionais da educação; o conforto, a adequação e a multiplicidade de ambientes pedagógicos; a interface do currículo com o contexto sociocultural de professores e estudantes; a modernização de metodologias de ensino; a diversificação, na forma, no conteúdo e no tempo, das estratégias de avaliação da aprendizagem; a participação da comunidade escolar e o diálogo entre escola e família, entre os aspectos mais frequentemente ressaltados.

Ademais, em tempos sombrios, que em parte estão de retorno, o Brasil já obrigou seus estudantes, do ensino fundamental à pós-graduação, aos estudos de civismo, que, na lógica autoritária da época, buscava reescrever a história ao sabor dos interesses dominantes e doutrinar estudantes para a submissão, em pleno regime em que os propagadores de tais valores “cívicos” conviviam hipocritamente com o terrorismo de Estado (prisões arbitrárias, torturas, assassinatos e outras formas de perseguição política).

Também não procede o argumento “militarista” pelo qual as escolas militares são modelos do bom desempenho acadêmico que se almeja para o conjunto das escolas públicas. No Rio de Janeiro, indicadores recentes do ENEM e do IDEB revelam que outras escolas públicas se destacam, como os Colégios de Aplicação da UERJ e da UFRJ, bem como várias unidades do Colégio Pedro II.

Ora, por que não tomá-las, então, como referências de organização do trabalho na escola, de liberdade de ensino, de gestão democrática, de valorização docente, de iniciação à ciência, de formação do pensamento crítico, fatores que historicamente têm justificado o sucesso de seus respectivos projetos pedagógicos?

Se corporações como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, no Rio de Janeiro, decidirem, com base em suas respectivas dotações orçamentárias, intensificar suas ações em educação, ampliando a rede de escolas que lhes são vinculadas, em detrimento de suas funções precípuas, certamente suscitarão o questionamento ou, pelo menos, a curiosidade da população, tendo em vista as históricas reivindicações por aumento de seus efetivos para o cumprimento de suas missões prioritárias, o que decerto não abrange a atividade educacional.

Porém, o que seguramente não se pode tolerar é a transformação de escolas públicas, vinculadas às redes estaduais de ensino administradas por secretarias de educação, em quartéis militares. Não se pode aceitar que a principal instituição republicana, a escola pública, seja aprisionada pela lógica e pelos valores de uma única instituição, militar ou não.

Por definição, a escola pública, verdadeiramente republicana, deve ser gratuita, laica, civil e universal, de modo que possa dialogar com diferentes religiões, raças, classes, gêneros, manifestações culturais, valores, instituições, de forma respeitosa e democrática, socializando, sem preconceitos, os múltiplos saberes legados pela humanidade e ensinando a democracia e o respeito à diversidade, na expressão de Carlos Nelson Coutinho, como “valores universais”.

*Waldeck Carneiro é professor da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFF e deputado estadual (PT-RJ).

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum