Fórum Educação
10 de março de 2020, 22h56

Para confundir eleitorado, Bolsonaro patrocina uma crise constante, por Daniel Trevisan Samways

"A grande chave a ser virada é a comunicação dos setores democráticos com a população. É necessário que esses grupos consigam criar pontes mais sólidas e diretas com a sociedade"

Carioca e Bolsonaro - Foto: Reprodução

Por Daniel Trevisan Samways*

Uma democracia consolidada é caracterizada pelo amplo acesso aos dados públicos, à harmonia, mesmo com embates, entre os poderes, ao respeito às instituições, à defesa da ciência e da pesquisa como instrumentos para o desenvolvimento social e econômico e ao profundo respeito à imprensa e à verdade dos fatos. Em uma breve análise do atual governo Bolsonaro, podemos dizer que ele respeita e defende algum desses valores?

Na manhã da última quarta-feira (04/03), o humorista Carioca, atualmente na Rede Record, saiu do carro de Fabio Wajngarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), e passou a fazer piadas vestido de presidente da República.

Ofereceu bananas à imprensa, ridicularizou os jornalistas presentes e, logo após, fez uma dobradinha com o verdadeiro. Presidente e seu impostor repetiram, juntos, mais um lamentável ataque à liberdade de imprensa.

A ação, como era de se esperar, tomou conta das redes sociais e duelou com o fraco desempenho do PIB, anunciado no mesmo dia. Poderíamos supor que a estratégia de levar Carioca, o presidente falsificado, para um show com simpatizantes e um ataque a jornalistas foi mais uma tentativa de contaminar o debate e impedir uma discussão mais aprofundada sobre os rumos da economia no país, a qual patina desde 2015.

Talvez seja equivocado falar em “cortina de fumaça”, já que a própria comunicação de todo o governo, com algumas exceções, é produzida com uma linguagem dos programas de auditório dos anos 90, com toques de jornalismo policial ao estilo “Aqui e Agora”.

Tal estratégia não visa apenas confundir o debate, mas fidelizar um eleitorado mais radical e, ainda, tentar atrair uma parcela dos indecisos. Por outro lado, consegue desgastar de tal modo o debate, que afasta, pelo cansaço, quem estava disposto a enfrentá-lo. Quando confrontado com dados, Bolsonaro joga bananas. Não há debate. 

No precioso livro “Como funciona o fascismo”, Jason Stanley afirma que a própria realidade é colocada em dúvida quando a propaganda política distorce ideias, substituindo o verdadeiro debate pelo medo e pela raiva. Para o autor, quando essa propaganda é bem-sucedida, seu público sente-se perdido, desconfiado e com medo, mas também com raiva daqueles que são tidos como responsáveis pela desestabilização. Seria errôneo acreditar que apenas a esquerda é tida como a única inimiga do governo. Ele se voltou contra as instituições, principalmente a imprensa. 

A estratégia não é tão difícil de ser percebida. Quando confrontado por denúncias ou mesmo críticas ao seu governo, Bolsonaro ataca jornais e jornalistas, com forte apelo machista e preconceituoso, criando euforia entre seus seguidores, que logo após serão bombardeados com memes e matérias sensacionalistas dos portais patrocinados pelo núcleo bolsonarista. Bolsonaro torna-se, segundo esse grupo, vítima da imprensa, e estaria sendo impedido de governar. Mesmo com tantos ataques às instituições e resultados econômicos muito frágeis, o presidente ainda conserva uma popularidade estável e, pelas recentes pesquisas, venceria as eleições. 

Bolsonaro consegue, ainda, trazer a oposição para dentro do seu ringue, onde apenas ele ataca e coloca seus adversários nas cordas, obrigando-os a responder e impedindo-os de propor. A agenda foi dominada por esse discurso, o qual sufoca outras narrativas. Os setores da oposição gastam boa parte do seu tempo e energia respondendo ao governo, desmentindo seus dados falsos, cobrando explicações sobre o que foi dito. Enquanto isso, onde a política de fato acontece, as reformas passam, não porque interessam ao governo, mas, antes, porque são defendidas pelo mercado. 

A grande chave a ser virada é a comunicação dos setores democráticos com a população. É necessário que esses grupos consigam criar pontes mais sólidas e diretas com a sociedade. Como e quando isso acontecerá ainda é um mistério. Talvez as eleições municipais desse ano tragam novos ares para essas discussões. É mais do que urgente.

*Daniel Trevisan Samways é doutor em História e professor no Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM).

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum