O que o brasileiro pensa?
01 de fevereiro de 2020, 12h18

Petrobras encerra sua inserção no continente africano

Mais que a perda de seu lugar no processo de reconfiguração da geopolítica do petróleo, a redução da inserção internacional da estatal brasileira, e especificamente a saída da África, também significa a perda de um importante instrumento de aproximação do Brasil aos países em questão

Foto: Divulgação/Petrobras

Por Isadora Coutinho*

Nos últimos anos, a Petrobras tem desacelerado seus investimentos no exterior. No início de 2020, foi noticiado que a Petrobras concluiu a venda de sua participação societária na Petrobras Oil & Gas B.V. (PO&GBV), empresa que produzia petróleo na Nigéria, na costa oeste africana. Em uma joint venture com o BTG Pactual E&P B.V, a estatal brasileira detinha 50% da empresa. Com a venda de sua participação para a canadense Africa Oil Corp, a Petrobras encerrou as suas atividades operacionais no continente africano, onde esteve por mais de quatro décadas.

Desde os anos 1970, a empresa passou a estabelecer bases em Angola. Isso se deu em função de um contexto específico da política externa, em que o Brasil buscava estreitar laços com países periféricos, mas também de maneira a contornar a conjuntura do choque do petróleo – dado que, à época, o país era altamente dependente da importação do recurso, com uma produção anual em 1970 de 164 mil barris por dia. Contudo, foi somente nos anos 2000 que o investimento em exploração e produção de óleo e gás na África passou a ser apontado como uma das áreas prioritárias na estratégia de inserção internacional da empresa, acompanhando a política externa do Brasil daquele período.

Assim, a atuação da Petrobras foi ampliada na África durante o governo Lula – onde já estava localizada em Angola e na Nigéria (1998) – para países como Tanzânia (2004), Líbia (2005), Guiné Equatorial (2006), Moçambique (2006), Senegal (2007) e Namíbia (2009). Durante o governo Dilma, a Petrobras chegou ao Gabão (2011) e Benin (2011). Com enfoque na exploração em blocos offshore, em áreas onde a tecnologia e a expertise técnica da estatal representasse vantagem competitiva, a Petrobras apostou principalmente na formação geológica africana similar à da costa brasileira para acelerar sua produção de petróleo e gás no exterior.

De acordo com dados disponibilizados pela Petrobras, em 2004, quando começou a ampliação da presença da empresa na África, a produção nacional era de 1.493 mboe/d e a produção internacional era de 168 mboe/d. Ainda que, no que diz respeito à África, a empresa tenha investido em projetos de exploração em todos os países africanos acima citados, a produção de óleo e gás se concentrou somente em Angola e na Nigéria. Em 2011, a produção total da estatal no continente africano foi de 57,6 mboe/d, sendo uma parte relevante da produção internacional da Petrobras no mesmo ano, de 233,9 mboe/d. Cabe considerar que grande parte da produção em território africano veio de campos localizados na Nigéria, como Agbami e Akpo, que em 2011 resultaram numa produção de 55,9 mboe/d.

Desde 2013, ao passo que o pré-sal assumia maior espaço nos investimentos da estatal, a empresa anunciou a formação da joint venture com o BTG Pactual, que adquiriu naquele momento 50% das ações da estatal, para explorar conjuntamente na África. Desse modo, a produção no continente que cabia à companhia brasileira passou a diminuir, passando de 51,8 mboe/d em 2014 para 25,9 mboe/d já em 2013. A partir do governo Temer, isso se seguiu na medida em que a empresa passou a vender ativos na África expressamente como parte do plano de desinvestimentos. Em 2018, a sua produção total naquele continente foi de 19 mboe/d.

A última venda, que marcou o fim das atividades da estatal no continente africano, se refere justamente a participações na produção dos dois campos de petróleo nigerianos mencionados acima e do campo de Egina, nos quais a média de barris diários que cabiam à Petrobras era de 34 mil. Mesmo que tais números referentes à produção em território africano não sejam tão expressivos perto da produção nacional da empresa, significam grande parcela da sua produção internacional, que em 2018 foi de 64 mboe/d.

Em função dessas medidas parte do programa de desinvestimentos, além de reduzir a inserção internacional da estatal, importa assinalar que a petrolífera perde a possibilidade de manter e garantir seu espaço de atuação no Golfo da Guiné, onde se destacam expressivas reservas de petróleo offshore, nas quais a produção tende a crescer. Inclusive, pesquisadores já vêm apontando que há um gradual emparelhamento de importância da região do Golfo Pérsico e da região do Golfo da Guiné como grandes áreas fornecedoras de petróleo.

Mais que a perda de seu lugar no processo de reconfiguração da geopolítica do petróleo, a redução da inserção internacional da estatal brasileira, e especificamente a saída da África, também significa a perda de um importante instrumento de aproximação do Brasil aos países em questão, com os quais poderia estender e aprofundar laços político-econômicos, para além da agenda de energia, tendo em vista o contexto estratégico do Atlântico Sul. Isto se dá no sentido de que a atuação da estatal brasileira em território estrangeiro, afirmando seu papel público, poderia ser usada como um meio de fortalecer a capacidade do Brasil de influenciar processos decisórios nos tabuleiros regionais da dimensão sul-atlântica e, assim, de projetar seus interesses. Contudo, enquanto isso, o que se percebe é que os espaços deixados nas águas sul-atlânticas pelo recuo da Petrobras serão complementados ou preenchidos por outros Estados e suas petrolíferas.

*Isadora Coutinho é mestra em Estudos Estratégicos Internacionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisadora do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep)

 

 

 

 

 

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum