Debates

Uma vida por outra: maternidade, machismo e reprodução social em Maid – Por Carolina Freitas

Um rosto sem descrição, de horror surdo, existe por trás da máscara da patroa, da assistência, do judiciário, do pai, do marido. O capital lança mão dessas personificações da violência porque precisa sistematicamente enterrar a expectativa de viver

Compartilhar

A série Maid, sucesso recorde da industrial cultural, é uma história sobre violências incolores que vão dilacerando as possibilidades substratas da vida. Um conto sobre o primordial tirado de nós, um “sem nome” que vai da nossa psique de criança à extração da mais-valia absoluta. Um “sem nome” com “quando”: o tempo de vida de bilhões de pessoas do gênero feminino no mundo.

A série é sobre uma jovem mãe da “white-trash” (a decadente classe trabalhadora branca norte-americana), que busca sobreviver, despossuída de qualquer meio material e espiritual; em aparência, tudo lhe foi tomado pela violência. A sequência narra – num contexto específico que poderia ser tantos outros – a trajetória de expropriações que erodem histórias pessoais de mulheres e que tramam uma condição social genérica.

Um rosto sem descrição, de horror surdo, existe por trás da máscara da patroa, da assistência, do judiciário, do pai, do marido. O capital lança mão dessas personificações da violência porque precisa sistematicamente enterrar a expectativa de viver. O “neocortéx” do controle sobre a reprodução crítica da vida sob o comando do dinheiro é a subjugação das mulheres proletárias. Afinal, são elas as portadoras da condição mais primordial do proletariado: a prole.

É desta condenação psicossocial que padece a mãe jovem proletária da trama, marcada pela disjuntiva subjetiva entre nascer amando incondicionalmente aqueles que deveriam nos proteger quando somos seres indefesos e sofrer uma vida inversa, agredida e talhada pela violência, com contornos frequentemente hereditários.

A recusa veemente de Heleieth Saffioti em interpretar a violência contra as mulheres sob a chave reificadora da “vitimização” cabe muito bem na narração. Não há nada de passivo na saga da moça franzina e emudecida. Sua vida misteriosamente insiste e há uma inteireza hipnótica no seu caminho: uma integridade no seu cuidado incontinente de mãe. Não se trata de qualquer romantismo maternal ideológico; é uma persistência de carne e osso, de uma mortal pela vida, pela comida, pelo banho, pela inflamação no ouvido, pelas histórias, pela memória, pelo amor da sua menininha de três anos.

O capitalismo transforma a atividade mais importante do ser – a socialização, o cuidado, os usos vitais – em degradação superexploratória de um exército infindo de mães precárias – desempregadas, faxineiras, mantenedoras de toda espécie de infraestrutura social.

Maid sugere que o dilema da reprodução tem a ver com a oposição interna entre a degradação social em curso e a possibilidade de um outro modo de produção da vida humana. Entre a solidão materna movida a baixos salários e a teima incessante pelo afeto, que vibra de algum lugar escondido.

Em Maid, a vida é invisível, precisa ser proibida, mas tem uma mãe que insiste.

*Carolina Freitas é socióloga e doutoranda na FAU/USP.

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Este post foi modificado pela última vez em 27 out 2021 - 22:10 22:10

Reprodução

Por
Reprodução

Última hora

  • Cultura

“Marighella” será exibido na quadra do Sindicato dos Bancários em SP

Evento gratuito e aberto para a população nesta sexta-feira (3) contará com presença de estudantes…

2 dez 2021 - 23:07
  • Alexandre Padilha

Variante Ômicron: o que temos que fazer – Por Alexandre Padilha

Por mais que a ciência tenha desenvolvido em pouco tempo vacinas eficazes contra a Covid-19,…

2 dez 2021 - 22:45
  • Debates

Improbidade administrativa em xeque – Por Gilmar Brunizio

É primordial ficar atento às novas regras sobre indisponibilidade de bens e as alterações da…

2 dez 2021 - 22:32
  • Notícias

Maria Paula e Adriana Samartini agitam live em concurso cultural de bancários da Caixa

Final do "Talentos 2021" é neste sábado (4), às 17h. Concurso é realizado pela Fenae…

2 dez 2021 - 22:22
  • Redes Sociais

Live do Podpah com Lula tem mais de 2 milhões de acessos e “flopa” transmissão de Bolsonaro

Entrevista de Lula ao podcast Podpah chegou a ter quase 300 mil ouvintes simultâneos no…

2 dez 2021 - 22:20
  • Debates

Do gado nelore ao gado bolsonarista: povo marcado, povo feliz!

O touro da B3, a prova do ENEM, e o futuro da agropecuária no Brasil...…

2 dez 2021 - 22:10