Imprensa livre e independente
08 de julho de 2019, 17h25

Deputada se diz a favor de trabalho infantil porque vendia brigadeiro para pagar aula de tênis

Parlamentar do PSL fez afirmação em rede social

Desde que o presidente da república defendeu o trabalho de crianças e adolescentes antes de completarem 18 anos, uma série de políticos e apoiadores também embarcaram neste discurso e contam suas experiências laborais na infância. Dessa vez foi a deputada Bia Kicis (PSL-DF) que deu seu testemunho. Porém, a finalidade da sua atividade estava bem longe de ser algo comum aos brasileiros comuns. “Aos 12 anos de idade eu fazia brigadeiros para vender na minha escola. E o mais interessante era que eu não precisava mas eu sentia uma enorme satisfação de pagar as minhas aulas de tênis com o...

Desde que o presidente da república defendeu o trabalho de crianças e adolescentes antes de completarem 18 anos, uma série de políticos e apoiadores também embarcaram neste discurso e contam suas experiências laborais na infância. Dessa vez foi a deputada Bia Kicis (PSL-DF) que deu seu testemunho. Porém, a finalidade da sua atividade estava bem longe de ser algo comum aos brasileiros comuns.

“Aos 12 anos de idade eu fazia brigadeiros para vender na minha escola. E o mais interessante era que eu não precisava mas eu sentia uma enorme satisfação de pagar as minhas aulas de tênis com o esse dinheiro. Eu me sentia criativa e produtiva”, escreveu a deputada em sua conta no Twitter.

Outros que relataram a sua experiência de trabalho infantil foi o juiz federal Marcelo Bretas, que disse ter trabalhado aos 12 anos de carteira assinada em uma empresa da família. Quem também falou ter trabalhado em negócio familiar foi a jornalista Leda Nagle, que afirmou ter ajudado em um armazém dos pais.

Veja também:  Entre o lixo psíquico digital e a censura na Internet no documentário “The Cleaners”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum