Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

21 de fevereiro de 2019, 12h42

Deputados ameaçam suspender tramitação da Reforma até que Planalto envie texto dos militares

Congressistas avaliam barrar a tramitação, mas manter a discussão sobre o texto, até que o Planalto envie em definitivo o projeto que altera o regime de militares

Foto: Reprodução

Em meio à desarticulação política do governo no Congresso, deputados de oposição e do bloco de centro-direita, o Centrão, articulam uma forma de barrar a tramitação da Reforma da Previdência até que o Palácio do Planalto envie à Câmara dos Deputados o projeto com mudanças nas regras do regime de previdência dos militares.

O secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse nessa quarta-feira (20) que em até 30 dias o governo apresentará um projeto com mudanças para os militares. Porém, o temor entre congressistas é a pressão dos militares atrase o andamento da proposta.

Ao blog líderes comentam sobre a necessidade das duas reformas tramitarem juntas. O texto apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) trouxe mudanças significativas nas concessões de benefícios de assistência social, aposentadoria por invalidez e acúmulo de pensões.

As mudanças, como a que mexe no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a que iguala a idade de aposentadoria rural de homem e mulher, devem ser os dispositivos que mais sofrerão emendas de parlamentares.

Veja também:  Governo Bolsonaro anuncia novo bloqueio de R$ 1,4 bilhão em gastos no orçamento

O centrão surgiu em 2016 como um grupo informal e fisiológico composto pelo PR, PSD, PRB, PSC, PTB, SD, PHS, Pros, PSL, PTN, PEN e PT do B) sob o comando do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ), hoje preso por corrupção. O grupo se dissolveu no Congresso e hoje opera de forma pulverizada em Brasília.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum