Imprensa livre e independente
29 de março de 2019, 10h55

Desemprego: Após reforma trabalhista de Temer e sob Bolsonaro, Brasil bate recorde com 27,9 milhões de subutilizados

Grupo de pessoas que inclui desocupados, quem trabalha menos de 40 horas semanais e os disponíveis para trabalhar, mas que não conseguem procurar emprego, chegou ao pico da série, iniciada em 2012, segundo o IBGE

Mutirão por emprego levou multidão para o Vale do Anhangabaú, em São Paulo (Foto: Reprodução/ Rede Globo)
Menos de dois anos depois da reforma trabalhista de Michel Temer – que sucateou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) – e com o emprego formal sob risco ainda maior com os planos de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro (PSL), a mão de obra subutilizada – grupo que inclui desocupados, quem trabalha menos de 40 horas semanais e os disponíveis para trabalhar, mas que não conseguem procurar emprego – chegou ao pico da série, iniciada em 2012, ao atingir 27,9 milhões de pessoas. Leia também: Mutirão por emprego leva multidão para o Vale do Anhangabaú, em São Paulo Os dados são...

Menos de dois anos depois da reforma trabalhista de Michel Temer – que sucateou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) – e com o emprego formal sob risco ainda maior com os planos de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro (PSL), a mão de obra subutilizada – grupo que inclui desocupados, quem trabalha menos de 40 horas semanais e os disponíveis para trabalhar, mas que não conseguem procurar emprego – chegou ao pico da série, iniciada em 2012, ao atingir 27,9 milhões de pessoas.

Leia também: Mutirão por emprego leva multidão para o Vale do Anhangabaú, em São Paulo

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) divulgados nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que detectou aumento de 0,9 pontos porcentuais no desemprego, que chegou a 12,4% da população economicamente ativa no último trimestre – comparados a três meses anteriores.

A população desocupada (13,1 milhões) cresceu 7,3% (mais 892 mil pessoas) frente ao trimestre de setembro a novembro de 2018 (12,2 milhões).

Veja também:  Haddad sobre novas denúncias da Vaza Jato: "Hoje, finalmente, entendi o conceito de “terrivelmente evangélico”

Outro recorde foi o número de pessoas desalentadas –aquelas que desistem de procurar emprego. Nesses três meses, 4,9 milhões de brasileiros se encontravam nessa condição.

Leia a pesquisa do PNAD na íntegra.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum