18A: trabalhadores se mobilizam contra Bolsonaro e a destruição do serviço público

Manifestações, paralisações, assembleias e passeatas em todo o país marcam o levante de servidores contra a PEC 32, da reforma administrativa, e o desmonte do Estado que vem sendo promovido por Jair Bolsonaro

Servidores públicos das esferas municipal, estadual e federal, com o apoio de centrais sindicais, movimentos sociais e entidades da sociedade civil realizam nesta quarta-feira (18) uma mobilização nacional contra o verdadeiro desmonte do Estado que vem sendo promovido pelo governo de Jair Bolsonaro.

Reivindicando auxílio emergencial de R$600 e com palavras de ordem pelo impeachment do presidente, os trabalhadores fizeram manifestações, passeatas, assembleias e paralisações em todo o país. A principal pauta deste #18A, no entanto, é a luta contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 32, que trata sobre a reforma administrativa.

A proposta, apresentada à Câmara pelo governo Bolsonaro, é uma das prioridades do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), e deve ser votada ainda em agosto, sendo que ela já havia sido aprovada na na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A PEC prevê uma série de mudanças no funcionalismo público sob o argumento de que as alterações servirão para “modernizar o Estado” e “combater privilégios”.

Trabalhadores e sindicatos, no entanto, apontam que a proposta, na verdade, retira direitos e acaba com a estabilidade dos servidores que mais precisam em detrimento de militares, magistrados, políticos e procuradores da República, que não serão afetados com a reforma.

Notícias relacionadas

“As trabalhadores e trabalhadores da Educação estão efetivamente participando desse dia de greve nacional nas três esferas públicas. Nós também nos preocupamos com o conteúdo da PEC 32, que muda por completo a estrutura da Constituição Cidadã de 1988, restringe direitos da população e dos servidores públicos. Essa PEC pretende transformar o Estdo em um grande balcão de negócios, ampliando a privatização das políticas públicas”, disse à Fórum Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), entidade que compõe a agenda de mobilizações.

“Acabar com a estabilidade do servidor público é voltar ao tempo colonial, ao tempo passado de indicações políticas de vereadores, deputados ocupando o cargo público. Por isso nós nos posicionamos contra. Essa reforma administrativa é pautada em intenções arcaicas, ultraliberais e antirrepublicanas, e totalmente incongruente com a realidade e as necessidades no nosso país”, completou Araújo.

Fim da estabilidade

Em artigo publicado recentemente na Fórum, a deputada federal Rosa Neide (PT-MG) explicou como a PEC vai acabar com a estabilidade dos servidores públicos.

Publicidade

“Caso a reforma seja aprovada, a cada troca de governo haverá também a troca dos servidores para nomeação dos indicados do novo governo, provocando assim a descontinuidade da oferta dos serviços públicos. A PEC também estabelece a precarização dos servidores, com ampliação da jornada de trabalho e ampliação da terceirização”, diz a parlamentar.

“Ao destruir a estabilidade, o governo Bolsonaro pretende trazer de volta para o serviço público o coronelismo dos anos 30, onde os servidores eram nomeados por coronéis políticos regionais. O trabalho do servidor ficará submetido aos interesses políticos dos governos de plantão e não mais aos interesses do Brasil”, avalia ainda a petista.

Publicidade

Já o deputado Rogério Correia (PT-MG) afirma que a reforma administrativa abrirá caminho para a privatização de serviços públicos essenciais, como educação e saúde.

“Essa PEC é uma demanda do mercado, é uma ordem dos capitalistas e das elites que exigem que essa privataria de bilhões seja feita para que as empresas ocupem o papel do Estado na prestação do serviço público”, atesta o congressista, que é coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público.

Mobilização

Contra a PEC 32 da reforma administrativa, contra a retirada de direitos e pelo “Fora Bolsonaro”, movimentos sociais, entidades sindicais e servidores públicos como um todo paralisaram suas atividades nesta quarta-feira (18) e realizaram assembleias, manifestações e passeatas em todo o país.

Em Brasília, o ato foi realizado em frente à Câmara dos Deputados.

“Estamos dando o recado nesta casa. A PEC 32 tem que ser rejeitada totalmente. Estamos unidos para derrotar o governo. Em Brasília, conseguimos mostrar a nossa capacidade de mobilização e de união das entidades que representam os servidores públicos. O ato de hoje foi uma grande demonstração de mobilização, força e luta da classe trabalhadora contra o desmonte do estado brasileiro”, afirmou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Distrito Federal, Rodrigo Rodrigues.

Sérgio Nobre, presidente nacional da central sindical, também estava presente na manifestação e afirmou que “precarizar o trabalho e ameaçar os serviços públicos não é a saída para o país voltar a crescer. A unidade das centrais sindicais nesta pauta é fundamental para a vitória”.

As centrais sindicais, movimentos sociais e trabalhadores prometem seguir com a mobilização. A próxima manifestação nacional contra Jair Bolsonaro está marcada para o dia 7 de setembro

Veja o mapa com os locais onde foram realizadas todas as manifestações de servidores públicos neste 18A aqui.

Abaixo, confira registros das mobilizações.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR