Fórum Educação
06 de Maio de 2020, 16h16

Bolsonaro é representado na PGR por apologia à ditadura

Ação do PSOL aponta que Bolsonaro e integrantes de seu governo infringiram a Constituição ao homenagear o major Curió, militar responsável pela repressão à Guerrilha do Araguaia e que foi denunciado por prisões ilegais, torturas e mortes

Bolsonaro com Curió (Reprodução/Instagram)

O PSOL protocolou junto à Procuradoria-Geral da República (PGR), nesta quarta-feira (6), uma representação contra Jair Bolsonaro e integrantes de seu governo apontando que eles cometeram apologia à ditadura.

A ação tem como base o fato de os canais oficiais do governo terem prestado, na terça-feira (5), uma homenagem ao militar da reserva do Exército Sebastião Curió Rodrigues de Moura, um dos chefes da repressão à Guerrilha do Araguaia nos anos 1970. No dia anterior, o próprio Bolsonaro recebeu Curió no Palácio do Planalto.

O militar, além de ser um dos chefes da repressão contra a Guerrilha do Araguaia, confessou ter sido responsável pela execução de 41 pessoas, e o Ministério Público Federal o denunciou por diversas prisões ilegais, torturas e mortes.

São alvo da representação do PSOL, além de Bolsonaro, o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Baptista.

“A prática da tortura e de outras graves violações de direitos humanos com motivação política foi adotada sistematicamente como política de Estado a partir do golpe militar de 1964. … São esses horrores que a Constituição obrigou o Estado brasileiro a reconhecer e que o país se comprometeu a reparar perante diversas organizações internacionais, especialmente para que nunca mais se repitam”, diz a representação.

Na peça, o PSOL argumenta que Bolsonaro e os integrantes do governo infringiram a Constituição Federal (princípios da moralidade, da legalidade, da impessoalidade; fundamentos da cidadania, da dignidade da pessoa humana e do pluralismo político; entre outros); a Lei 8429/1992 (improbidade administrativa); e o Código Penal (incitação e apologia ao crime).

Parecer do MPF

No início de abril, o Ministério Público Federal (MPF) deu um parecer favorável para proibir o governo Bolsonaro de fazer apologia à ditadura.

A ação foi movida pela deputada federal Natália Bonavides (PT-RN), que teve como base um texto em celebração do golpe militar de 1964 publicado no site do Ministério da Defesa, e pede que o governo federal se abstenha de qualquer conteúdo de celebração à data, quando foi instaurada a ditadura militar no Brasil.

Além da ação movida pela deputada, organizações como a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns, OAB e Instituto Vladimir Herzog enviaram uma petição à ONU para que autoridades brasileiras sejam investigadas por apologia ao golpe de 64. 

Segundo as organizações, “de acordo com o relatório da Comissão Nacional da Verdade, no período da ditadura militar, houve 434 desaparecimentos forçados e assassinatos políticos, mortes de camponeses e indígenas, prisões por razões políticas, censura de imprensa e outras muitas violações dos diretos humanos”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum