Monica Benicio

13 de fevereiro de 2019, 22h49

Combater as violências contra nossos corpos é lutar por justiça social

Monica Benicio aborda a criminalização da homofobia: “A luta anti-homofobia tem que ser paralela ao enfrentamento de outras opressões, como o racismo”

Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

Nesta quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019, o Supremo Tribunal Federal iniciou o julgamento de ações que questionam se o Congresso Nacional se omitiu ao legislar sobre a criminalização da homofobia e da transfobia. As ações foram apresentadas pelo Partido Popular Socialista (PPS) e pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) e pedem ao Supremo o reconhecimento das omissões em relação a esses temas por parte do Congresso. Há também reivindicação para que a Corte criminalize os atos de discriminação e violência contra homossexuais e transexuais, enquadrando-os como crime.

Criminalizar a homofobia é fundamental para começarmos a enfrentar seriamente o problema. Entretanto, é importante fazermos o debate de que somente tornar “crime” não adianta.

Para combatermos e enfrentarmos as violências, como LGBTfobias, racismo, machismo e sexismo, é necessário que se criem políticas de promoção, prevenção e proteção para que consigamos desconstruir os pré-conceitos existentes, que levam um indivíduo a violentar o outro.

Importante ressaltar que garantir direitos sociais, civis e políticos para todos e todas não quer dizer que uns têm mais importância do que outros, como setores conservadores tentam pregar. Queremos que todos e todas tenhamos os mesmos direitos perante às legislações e trajetórias de vida.

Nossa disputa é pelo fim dos privilégios impostos pelas identidades sociais, em que pessoas brancas, heteronormativas, cisgêneras e de classe social acabam sendo elevadas a um patamar acima das demais pessoas. Da mesma forma, cumpre ressaltar que não resta um problema em si alguém possuir tais características. O problema é se utilizar delas para oprimir negros e negras, LGBTs, mulheres, ou seja, reforçar a estrutura social vigente tão desigual.

O Brasil de hoje é fruto de um longo processo de violência, que tem origem no genocídio cometido contra os povos indígenas, passa por três séculos e meio de escravidão e duas ditaduras. Um povo forjado na violência e na intolerância tem, com frequência, encontrado terreno fértil para a manifestação de preconceitos e de atos violentos contra a população LGBT. Entender este processo histórico e lutar pela criminalização da LGBTfobia representam estar ao lado do processo civilizatório, tão urgente nesses tempos sinistros que nos assombram.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum