Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de março de 2019, 17h47

Coordenadora do Movimento dos Atingidos por Barragens é assassinada em Tucuruí (PA)

Segundo informações preliminares do Movimento, outros militantes foram mortos na mesma ação criminosa

Em 2011, Dilma Silva participou de uma audiência com a então presidenta Dilma Rousseff (PT) - Foto: Divulgação/MAB

Por Brasil de Fato

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) informou nesta sexta-feira (22) o assassinato de Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do movimento em Tucuruí (PA). Segundo informações preliminares divulgadas pela assessoria de comunicação, a liderança do MAB no Pará teria sido morta junto ao esposo e outros familiares.

“O MAB ainda não sabe ao certo o número de pessoas assassinadas e nem os motivos do crime. (…) É mais um momento triste para a história dos atingidos por barragens que o dia de hoje celebravam o Dia Internacional da Água”, diz a nota publicada pelo movimento. “O MAB exige das autoridades a apuração rápida deste crime e medidas de segurança para os atingidos por barragens em todo o Brasil”.

Em 2011, Silva participou de uma audiência com a então presidenta Dilma Rousseff (PT), e entregou um documento em que pedia uma política nacional de direitos para os atingidos por barragens, com atenção especial par as mulheres atingidas.

A usina hidrelétrica de Tucuruí, construída durante a ditadura militar, é a maior hidrelétrica considerada genuinamente nacional. Ela localiza-se no rio Tocantins, a 310 km da capital Belém (PA). Cerca de 32 mil pessoas foram deslocadas de suas moradias para construção da barragem, e há mais de 30 anos lutam para garantir direitos.

Investigação

Após denúncia do MAB, Helder Salomão (PT/ES), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), cobrou que Helder Barbalho, governador do Pará, Ualame Machado, secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, e Gilberto Martins, procurador-geral de Justiça, tomem providências o mais rápido possível para apurar o assassinato.

Segundo nota publicada no site da Câmara dos Deputados, Salomâo ainda solicitou no documento enviado aos demais que a CDHM seja informada por todas as ações tomadas para apurar o crime. “Considerando as informações preliminares, podemos dizer que possivelmente os crimes são uma reação à luta dessas pessoas pelos direitos humanos”, afirma o deputado.

Salomão reforça que a Comissão tem a atribuição de receber, avaliar e investigar as denúncias relativas a qualquer ameaça ou violação de direitos humanos. “Além disso, o assassinato de defensores de direitos humanos é uma grave violação dos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil na Assembleia Geral das Nações Unidas”, frisa o deputado.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum