Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de fevereiro de 2019, 19h01

Crime da Vale em Brumadinho é denunciado à ONU

Organizações ligadas à causa socioambiental encaminharam à ONU uma denúncia em que apontam falhas e omissões da mineradora e do Estado brasileiro que culminaram no rompimento da barragem de rejeitos em MG; 134 mortes foram confirmadas até o momento e outras 199 pessoas estão desaparecidas

Foto: Lucas Hallel ASCOM/FUNAI

Três entidades ligadas à causa socioambiental formalizaram, nesta terça-feira (5), uma denúncia encaminhada à Organização das Nações Unidas (ONU) contra a Vale e o Estado brasileiro pelo crime ambiental ocorrido em Brumadinho (MG) no dia 25 de janeiro, quando a barragem de rejeitos tóxicos da mineradora se rompeu vitimando centenas de pessoas. Até o momento, o número de mortes confirmadas é de 134, sendo que 199 pessoas estão desaparecidas.

O documento, assinado pela Conectas, Clínica de Direitos Humanos da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) aponta falhas e omissões que culminaram na tragédia e cobra providências imediatas. As entidades destacam ainda, no denúncia encaminhada, que nada foi feito para prevenir um novo acidente desde a tragédia de Mariana (MG), em 2015, quando uma barragem da mesma mineradora se rompeu deixando vítimas fatais.

Em nota, a Conectas detalhou: “As organizações elencam sete medidas urgentes que devem ser adotadas pelas Nações Unidas junto ao governo brasileiro para prevenir que haja danos irreparáveis. Entre elas, está o pedido de informações sobre as medidas de emergência que foram tomadas até agora e as planejadas no futuro, a adoção de ações para impedir a contaminação do rio São Francisco, monitoramento da qualidade das águas e transparência sobre o nível de toxicidade dos resíduos existentes na lama”.

Leia também
Justiça proíbe Vale de despejar dejetos em outras 8 barragens em Minas Gerais

O documento foi endereçado em caráter de urgência aos relatores especiais Baskut Tuncak (implicações para os direitos humanos do gerenciamento e disposição de substâncias tóxicas e rejeitos), Léo Heller (direitos humanos à água potável segura e ao esgotamento sanitário), John Knox (questão das obrigações de direitos humanos relativas ao desfrute de um ambiente seguro, limpo, saudável e sustentável) e Dante Pesce (Presidente do Grupo de Trabalho da ONU sobre a questão dos direitos humanos e corporações transnacionais e outras empresas de negócios).

Confira a íntegra da denúncia aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum