Deputado diz que massacre de Jacarezinho não foi chacina, foi faxina

Bolsonarista, Coronel Sandro, deputado estadual por Minas Gerais, defendeu a operação policial responsável pela morte de 29 pessoas

O professor universitário e advogado João Gabriel Prates usou o Twitter para mostrar uma postagem do deputado estadual por Minas Gerais, Coronel Sandro (PSL-MG). O bolsonarista disse que o massacre de Jacarezinho “não foi chacina, foi faxina!”. A desastrosa operação policial foi responsável pela morte de 29 pessoas.

Prates fez a postagem e escreveu: “Mais um canalha, que é deputado em Minas Gerais. Que a Assembleia responsabilize o Coronel Sandro”.

O bolsonarista respondeu a mensagem e ameaçou o advogado: “Pronto para o processo por injúria! Aguarde”.

O professor não se intimidou: “O Deputado Estadual bolsonarista chama de ‘faxina’ a chacina do Jacarezinho e ainda quer me processar. Como diriam os jovens: “só vem!’”.

Tratamento precoce

No final de março de 2021, Coronel Sandro foi hospitalizado para tratar de sintomas relacionados à infecção por Covid-19. Defensor do tratamento precoce com cloroquina, o parlamentar precisou aguardar por uma vaga de UTI.

Sandro também é contrário às políticas de fechamento das atividades econômicas. Por mais de uma vez ele defendeu o “isolamento vertical”, que foi descartado pelos médicos sanitárias na primeira onda da pandemia.

“Eu acho que nós temos que voltar ao trabalho, com trabalho, com responsabilidade. Eu não me prendo ao politicamente correto e ao senso comum. Pobreza, miséria e desemprego irão matar muito mais do que a Covid-19”, declarou o deputado, em discurso na Assembleia de Minas.

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR