Fórumcast #20
01 de outubro de 2018, 07h32

Em vídeo, dono da Havan coage funcionários a votarem em Bolsonaro

"Você está preparado para sair da Havan? Você está preparado para ganhar a conta da Havan? Você que sonha em ser líder, gerente, e crescer com a Havan, você já imaginou que tudo isso pode acabar no dia 7 de outubro?", diz o empresário apoiador de Bolsonaro.

Foto: Reprodução

Em vídeo que circula nas redes sociais, o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, afirma que faz pesquisas em suas lojas para saber em quem os funcionários votarão nas eleições presidenciais e faz ameaças àqueles que pretendem votar em branco, nulo ou na “esquerda”.

Cabo eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL), Hang diz que se a “esquerda” ganhar – e “nós vamos virar uma Venezuela” -, ele “joga a toalha” e vai “repensar nosso planejamento”, antes de fazer ameaças. “Talvez, a Havan não vai abrir mais lojas. E aí se eu não abrir mais lojas ou se nós voltarmos para trás. Você está preparado para sair da Havan? Você está preparado para ganhar a conta da Havan? Você que sonha em ser líder, gerente, e crescer com a Havan, você já imaginou que tudo isso pode acabar no dia 7 de outubro?”

Segundo o empresário, as pesquisas internas mostram que “temos ainda 30% de colaboradores que votarão branco e nulo”. E coage os funcionário. “Depois não adianta reclamar. Se você não for votar, se você anular seu voto, se você votar em branco e depois do dia 07 nosso país lamentavelmente ganha a esquerda e nós vamos virar umaa Venezuela. Vou dizer para vocês, até eu vou jogar a toalha”.

Veja também:  Resistência à intervenção no Cefet-RJ continua: assembleia e ato estão previstos para esta terça

Hang é um dos maiores entusiastas da candidatura de Bolsonaro. O empresário faz campanha aberta, visitou o militar reformado no Hospital Albert Einstein, onde ele esteve internado, e transformou suas lojas em Q.G.s da candidatura Bolsonaro.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum