Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de agosto de 2017, 16h59

Fernando Horta: Quando a História não é suficiente?

“Tragam os historiadores de volta. Os historiadores podem dizer o que está acontecendo, como já aconteceu e como estamos caminhando para um futuro em que Charlottesville não será notícia. Será comum”. Leia mais na análise de Fernando Horta sobre o confronto durante o protesto neonazista nos Estados Unidos

Por Fernando Horta, no GGN 

O século XX não foi o século dos historiadores. O prestígio que a História gozou durante os últimos três mil anos foi eclipsado, no século XX, por uma série de ramos do saber que se diziam detentores de fórmulas para prever o futuro. Até o XIX, o homem olhava para o passado para entender-se, para se referenciar e os historiadores ocupavam – ora com religiosos, ora com filósofos – os postos de “conselheiros” (formais ou informais) do poder político. No século XX, a História foi entendida como “não boa o suficiente”, sendo substituída pela economia, ciência política, relações internacionais, publicidade e outros tantos ramos do saber que prometiam “resultados concretos”, ou ao menos a concretude através de um cientificismo matemático.

Índices de crescimento econômico, índices de agregação ou dispersão partidária, índices de correlações de forças materiais e projeções de futuro … Números, gráficos, projeções, probabilidades. A certeza da matemática esquadrinhando o homem, seu tempo, suas ações. A Teoria dos Jogos e a incerteza deixa de ser incerta. Algoritmos jogados em computadores a “preverem” os resultados das escolhas de milhões de pessoas ao redor do globo. Não há necessidade de entender as especificidades. Russos, Angolanos e Peruanos agem da mesma forma. Querem seu sustento material, querem manter-se em paz e livres, seja lá o que isto quer dizer. O mundo parecia simples, alguns até se vangloriavam do “fim da história”.

Os eventuais erros eram fruto de uma métrica imperfeita ou do uso imperfeito (humano?) das metodologias disponíveis. Não importa o quanto o trigo cresce ou qual o significado deste crescimento para a crença dos cem moradores da região. Interessa que dada a pressão internacional da redução do consumo chinês isto pode ser traduzido em um índice com a consequente redução do preço da commodity no mercado mundial. Por algum malabarismo nos índices, o país que tem mais de oito mil ogivas nucleares é menos perigoso do que aquele que tem apenas (no máximo) 8.

Eleições não são mais um respaldo para a democracia, é preciso a aderência a códigos de conduta, espaços quantificáveis de participação, oposição, institucionalização e tantos outros. Até a liberdade ganhou números, índices. Deixou de ser algo que “não há ninguém que explique e ninguém que não entenda” para ser um número baseado numa recoleção não bem explicada de outros índices, supostamente todos livres. Felicidade, engajamento, participação, sucesso pessoal, saúde … tudo e qualquer coisa se torna o espaço para a certeza aritmética ou a probabilística.

Cultura, mentalidades, narrativas de subjetivação, pertencimento, memória, percepção de futuro, esquecimento, formação de identidade, espaço de subjetivação, discursos nacionais, legitimidade … todos conceitos bonitos, mas não bons o suficiente para os tomadores de decisão do século XX. Cada um deles demanda um sem número de leituras e reflexões, algo impensado na velocidade do mundo atual. Tempo, afinal, é dinheiro. Gráficos e computadores, é disto que o século XX se trata. Objetividade, demanda e lucro. O que traz dúvida está errado, inacabado ou imperfeito.

Pois se querem números: no dia 12/08/2017, em Charlottesville, nos EUA, cerca de 7000 pessoas entraram em batalha campal terminando com 19 feridos, 3 mortos e 4 pessoas presas. A cidade de Charlottesville tem uma população de cerca de 47 mil pessoas e um PIB per capita de 47 mil dólares. 19% desta população é negra. Durante o protesto, a polícia calcula que quase 50% dos que marcharam em direção ao campus da Universidade de Virgínia eram de fora da cidade.

E nenhum destes números ajudam a entender o que está acontecendo lá.

Tragam os historiadores de volta. Os historiadores podem dizer o que está acontecendo, como já aconteceu e como estamos caminhando para um futuro em que Charlottesville não será notícia. Será comum.

Olhem para o Brasil. Charlottesville está acontecendo aqui desde 2013. Embaixo dos nossos narizes, enquanto uns se preocupam com a inflação, com o crescimento econômico ou com a Venezuela e a Coréia do Norte.

Tragam a História de volta.

Leia também: Antifascistas resistem, entram em confronto e impedem avanço de marcha neonazista nos EUA


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum