Gilmar Mendes manda indireta a Bia Kicis: “Racismo é crime e fomentá-lo também”

Ministro do STF se manifestou após postagem racista de Bia Kicis (PSL-DF) em que a bolsonarista ataca Moro, Mandetta e a Magazine Luíza com piada racista

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, mandou uma indireta na noite deste domingo (27), através do Twitter, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que no sábado (26) fez uma postagem racista para atacar o programa de trainee voltado para negros da rede Magazine Luiza, bem como os ex-ministros Sérgio Moro e Luiz Henrique Mandetta.

“O preconceito racial é uma das maiores chagas da nossa tradição colonial. Qualquer iniciativa – seja do Estado ou da iniciativa privada – que vise a reparar a história de segregação da população negra deve ser louvada, jamais achincalhada. Racismo é crime e fomentá-lo também”, escreveu Mendes.

Entenda

A deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) fez na noite deste sábado (27) uma postagem racista em seu Facebook que tem gerado inúmeras críticas nas redes.

Em uma só publicação, a parlamentar atacou os ex-ministros Sérgio Moro (Justiça) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde), com quem o bolsonarismo é rompido, além da rede Magazine Luíza e as pessoas negras como um todo.

No “meme”, Mandetta e Moro aparecem com cabelos ao estilo afro e os rosto pintados de preto – um black face para dar a ideia de que eles estariam tentando se passar por negros para entrar no programa de trainee da Magazine Luiza, que abriu vagas exclusivamente para pessoas negras.

“Não tá fácil mesmo!”, escreveu Bia Kicis na legenda da postagem.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR