Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de abril de 2019, 17h14

Grife de luxo Animale passa a integrar a nova ‘lista suja’ do trabalho escravo

Trabalhadores bolivianos foram resgatadoas em situação de trabalho análogo à escravidão em oficinas contratadas pela marca em São Paulo; eles cumpriam jornada superior a 12 horas por dia em ambiente insalubre e recebiam em média R$5 por peça confecionada, que são vendidas nas lojas por até R$70

Divulgação

A nova ‘lista suja’ do trabalho escravo, que antes era divulgada pelo extinto Ministério do Trabalho, foi divulgada nesta quarta-feira (3) pelo Ministério da Economia. Trata-se da primeira lista de empresas que foram flagradas submetendo seus trabalhadores a trabalhos análogos à escravidão divulgada pelo governo de Jair Bolsonaro.

Na lista deste ano foram incluídos 48 novos empregadores, entre eles a grife de luxo Animale.

O flagrante do trabalho escravo foi feito em 2017 pela ONG Repórter Brasil. Na ocasião, foram resgatados trabalhadores bolivianos em três oficinas da Animale e da A.Brand, ambas do Grupo Soma, em São Paulo. Eles cumpriam jornada de mais de 12 horas diárias de trabalho em ambiente insalubre e recebiam, em média, R$5 por peça confeccionada, que eram vendidas por até R$700 nas lojas. Muitos deles moravam nas oficinas com os filhos, que viviam entre as máquinas de costura e os tecidos.

Em nota, a Animale informou que “a empresa não compactua com a utilização de mão de obra irregular em suas cadeias de produção” e que o ocorrido foi “um caso isolado”.

Ao todo, de acordo com a ONG Repórter Brasil, 38 marcas de moda, incluindo a Animale, estão envolvidas com trabalho escravo no país.

Lista suja 

As empresas flagradas com trabalho escravo entram para a ‘lista suja’ do governo depois de serem autuadas e terem apresentado defesa. Ao não cumprir com seus compromissos com a Justiça, as empresas entram para a lista e lá permanecem por dois anos até serem colocadas em uma lista de “observação”.

As empresas só saem da “lista suja” após cumprirem todos os seus compromissos com a Justiça, como a adequação dos regimes de trabalho e pagamento de multas.

Confira a íntegra da “lista suja” do trabalho escravo de 2019 aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum