Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
25 de julho de 2019, 10h28

Homofobia: ensandecido, motorista da Uber agride com coronhada amigo gay de Clarice Falcão

“Ele chegou a colocar a arma no peito da minha mãe. Conseguimos tirá-lo de perto dela, mas ele ainda me deu uma coronhada. Ele deu uma rasteira no meu namorado e um soco”, disse o roteirista

Foto: Divulgação

A cantora, compositora e humorista Clarice Falcão denunciou através de sua conta do Twitter, nesta quarta-feira (24), caso de agressão e homofobia envolvendo um casal de amigos dentro de um carro do aplicativo Uber. De acordo com ela, seu amigo foi chamado de “viadinho” pelo motorista e levou uma coronhada na cabeça. O namorado dele levou um soco e uma rasteira.

“O meu melhor amigo estava em um carro da @Uber_Brasil com a mãe, o namorado e o afilhado e foi fisicamente agredido pelo motorista armado enquanto era chamado de ‘viadinho’. Ele levou uma coronhada na cabeça, o namorado dele levou um soco e uma rasteira.”

A cantora também disse ainda que o amigo encontrou dificuldades para fazer um Boletim de Ocorrência porque a Uber “se recusa a passar a placa ou dar qualquer informação” e que “o máximo que fez foi ressarcir os R$ 17 da corrida”. “ou a @Uber_Brasil age assim frente a um caso grave de homofobia ou patrocina carro na parada LGBTQ, os dois não dá”, criticou.

Foto: Reprodução

A agressão

O roteirista Célio JR contou ao jornal O Globo que ele, seu namorado e sua mãe saíram de Botafogo em direção às barcas e, logo no começo da viagem, perceberam que o motorista estava nervoso e batia no volante a todo momento. As agressões começaram quando eles saíram do carro:

“Qualquer coisa que acontecia, ele bufava e batia no volante. Quando chegamos à Praça Quinze, pedi para ele parar um pouco mais à frente por causa da minha mãe, que tem 70 anos. Ele se recusou e, na hora de sair, eu disse que ele estava sendo mal-educado conosco. Foi quando ele abriu a janela e nos chamou de ‘viadinho’”, conta.

Segundo Célio, após as agressões verbais, o motorista, identificado apenas como Paulo, saiu do carro e continuou a gritar. Depois, ele ainda voltou ao carro e pegou uma arma:

“Ele chegou a colocar a arma no peito da minha mãe. Conseguimos tirá-lo de perto dela, mas ele ainda me deu uma coronhada. Ele deu uma rasteira no meu namorado e um soco”, disse o roteirista.

Leia a nota oficial da Uber

“A Uber considera inaceitável qualquer forma de violência e de discriminação em viagens pelo aplicativo. O motorista citado foi desativado do app assim que soubemos do caso. Entramos em contato com o usuário para oferecer apoio e informar que seguimos à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.

A empresa se orgulha em oferecer opções de mobilidade eficientes e acessíveis para todos – ao mesmo tempo em que oferece também uma oportunidade de geração de renda democrática, independente de credo, etnia, orientação sexual ou identidade de gênero (sendo a primeira empresa de ridesharing que permite nome social na plataforma).

Fornecemos diversos materiais informativos a motoristas parceiros sobre como tratar cada usuário com cordialidade e respeito e frequentemente realizamos e apoiamos campanhas em favor da diversidade e do respeito como forma de conscientizar usuários, motoristas parceiros e a sociedade em geral. Um exemplo é a campanha “Carnaval de Respeito”, realizada em parceria com a ONG Plan International, que foi divulgada para milhões de usuários e motoristas.

Como empresa de aplicativos de Internet, a Uber está sujeita à legislação sobre esse tema, incluindo o Marco Civil da Internet (Lei nº 12.965/ 2014), e só pode compartilhar dados respeitando essa legislação. O Marco Civil da Internet é a lei federal que regula qualquer tipo de compartilhamento de dados no Brasil e proíbe o compartilhamento de dados pessoais com terceiros, exceto nos casos expressamente previstos em lei”.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum