Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de março de 2020, 16h30

Menos Médicos: Mortalidade de bebês indígenas bate recorde com fim do programa

Segundo lideranças indígenas, alguns dos profissionais que substituíram os cubanos com o fim do Mais Médicos se recusam a ir às aldeias e possuem muitas faltas

Mais Médicos no programa Saúde Indígena | Foto: Alejandro Zambrana/Sesai

Entre janeiro e setembro de 2019, último mês com estatísticas disponíveis, 530 bebês indígenas morreram antes de atingir 1 ano de idade. Os dados representam um aumento de 12% em relação ao ano anterior e o maior número desde a criação do programa Mais Médicos – encerrado em dezembro de 2018.

Os dados foram obtidos através da Lei de Acesso à Informação pelo jornalista João Fellet, da BBC Brasil, e mostram uma relação direta entre o fim do Mais Médicos e o aumento da mortalidade de bebês.

Segundo a reportagem, foi em 2012 – um ano antes da criação do programa – que as taxas atingiram os níveis mais altos. No ano seguinte, com mais metade (55,4%) dos postos médicos em áreas indígenas ocupados por 301 profissionais de Cuba, o índice chegou ao número mais baixo.

Apesar da substituição de parte dos profissionais por brasileiros, o serviço caiu muito em qualidade, apontam lideranças. Entre as principais reclamações está a falta de uma relação do médico com as comunidades e a recusa de muitos em ir até a aldeia.

“Eles (cubanos) não faziam objeção, não criavam nenhuma dificuldade para ir na aldeia, conviver com a realidade. Com a saída deles, sentimos esse impacto”, afirmou Sérgio Bute, indígena do povo pataxó hã-hã-hãe que preside o Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi) da Bahia.

Paulo Tupiniquim, coordenador-executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e membro do conselho de saúde do DSEI Minas Gerais e Espírito Santo, também se queixou sobre o mesmo tema.

“É uma postura completamente diferente da dos cubanos. Com eles não tinha tempo ruim: podia estar chovendo ou fazendo sol, eles tinham essa preocupação de levar o atendimento, de manter o contato com a população”, declarou.

“Temos médicos brasileiros excelentes, mas também temos aqueles que aparecem no serviço uma vez por semana e vivem apresentando atestado”, completou.

Leia a reportagem na íntegra na BBC Brasil


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum