Fórumcast #20
01 de agosto de 2018, 17h06

Motel Senzala tem suíte Zumbi, escrava, grilhões e correntes para agradar clientes

Mesmo depois de algumas manifestações online, há 2 anos, o Motel Senzala, em Porto Alegre (RS), ainda existe. Grilhões, jaulas e correntes são para os proprietários alguns dos atrativos das suítes com um preço médio de R$120 o período

Reprodução

Por Silvia Nascimento, no Mundo Negro

Dizer que vidas negras importam é um chamado para empatia e o bom senso, já que no Brasil, a era do horror chamado escravidão, que durou 300 anos , vira tema de motel na região sul, e mesmo depois de algumas manifestações online, há uns 2 anos, o espaço ainda existe.

O Motel Senzala fica no bairro de Sarandi, em Porto Alegre. No site de apresentação do estabelecimento, o motel se define como um espaço que garante a satisfação dos clientes de gostos variados.

Divulgação/Motel Senzala

Grilhões, jaulas e correntes, são para os proprietários alguns dos atrativos das suítes com um preço médio de 120 reais o período.

No ano que comemoramos 130 anos de abolição da escravidão não é devaneio achar esse tipo de estabelecimento é uma aberração, no mínimo. Qualquer local que usa crimes contra a humanidade sem finalidade educativa, ou nesse caso, erotizando instrumentos de tortura para lucrar deveria ser fechado.

A história de dor e morte dos meus antepassados não pode ser tema para apimentar a noite de casais apaixonados. Que tipo de casal frequenta um lugar desse?

Divulgação/Motel Senzala

Achar um local como esse normal, é desumanizar a vida de milhões de pessoas negras, incluindo gestantes, crianças e idosos que foram escravizadas e até hoje, nós, seus descendentes lutamos por igualdade e ainda sofremos com a violência.

Veja também:  Sargento da PM, tio de Michelle Bolsonaro foi preso em maio por ligação com milícia

E na sua cidade você conhece algum lugar que romantiza a escravidão como o Motel Senzala?


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum