Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de julho de 2019, 06h00

O trabalho infantil não pode ser romantizado, por Sol Massari

Ser favorável, nos dias atuais, ao trabalho infanto-juvenil demonstra falta de conhecimento da história sobre o assunto e suas diversas facetas. É desconhecer até mesmo o presente

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Sol Massari*

A educação é um investimento na sociedade que pretende romper com o ciclo de exclusão social, um objetivo que não tem sido plenamente atendido no Brasil, afinal 2 milhões de crianças e adolescentes – de 4 a 17 anos – estão fora da escola, de acordo com o Censo Escolar 2018, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Nesta linha da exclusão, 24,1% dos jovens de 16 anos não concluíram o Ensino Fundamental em 2017, segundo o Anuário Brasileiro de Educação Básica 2018. Outros dados do mesmo estudo evidenciam o peso das desigualdades regionais: o percentual de conclusão do Ensino Fundamental entre jovens de 16 anos é de 66,2% no Nordeste, ante 75,9% da média nacional.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

As desigualdades educacionais, apresentadas já na primeira infância, vão até o Ensino Superior. Conforme o anuário, 14,3% dos jovens negros, de 18 a 24 anos, estão matriculados no Ensino Superior, frente os 27,9% de brancos na mesma faixa etária. Outro dado: 7,2% da população de 18 a 24 anos que reside no campo têm acesso à faculdade, contra 21,9% da área urbana.

Dados como estes demostram vácuos e abismos étnicos, regionais e econômicos existentes com relação ao acesso às políticas públicas. É neste cenário de completo abandono que muitas crianças acabam sendo engolidas pelo sistema capitalista e empurradas para o mundo do trabalho – muitas, inclusive, vivem em situação análoga à escravidão.

No início da industrialização no Brasil, era significativo o número de crianças que trabalhavam nas fábricas. Muitas foram mutiladas e mortas devido às péssimas condições de trabalho.

Na obra “Crianças Operárias na Recém-industrializada São Paulo”, de 1999, Esmeralda Moura apresenta a dura realidade da década de 1870, na qual a imprensa multiplicava os anúncios de emprego para crianças e adolescentes, que chegaram a ocupar 15% do total da mão de obra absorvida em estabelecimentos industriais da cidade de São Paulo em 1890.

Ser favorável, nos dias atuais, ao trabalho infanto-juvenil demonstra falta de conhecimento da história sobre o assunto e suas diversas facetas. É desconhecer até mesmo o presente. Há hoje crianças que trabalham no corte da cana no Rio de Janeiro; que fazem o cultivo da erva-mate e do fumo no Rio Grande do Sul; que trabalham arduamente nas carvoarias no Mato Grosso do Sul.

Existem também mãos miúdas, que estão torrando castanhas no Pará e perdendo suas digitais, símbolo de sua identidade e individualidade; que estão servindo nas lavouras de sisal no noroeste baiano; que trabalham em fábricas de plásticos e vidros em Serra Talhada, no Pernambuco; e que estão empregadas em fábricas de rede no sertão paraibano, entre outros exemplos sórdidos.

O trabalho infantil está concentrado na agricultura (71%), seguida do setor de serviços (17%) e do setor industrial (12%). Não se pode negar que houve avanço em combater essa exploração: em 1995, havia 522 mil de crianças de 5 a 9 anos trabalhando, ante 30 mil crianças em 2018, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

A luta pelo direito a uma infância saudável – com escola, lazer, cultura e proteção – surgiu depois da constatação de que o trabalho infantil compromete o desenvolvimento da criança e do adolescente ao expor a acidentes, lesões e doenças, que na maioria das vezes têm efeitos permanentes ao organismo que ainda está por atingir a maturidade biológica.

Não se pode romantizar o trabalho infantil, como se a criança escravizada na agricultura fosse apenas um rapazinho de boas notas, que vende brigadeiros para pagar a aula de tênis.

Entre 2007 e 2016, 22 mil crianças e adolescentes de 5 a 17 anos sofreram acidentes graves enquanto trabalhavam, segundo o Sistema Nacional por Agravo de Notificações (Sinan), do Ministério da Saúde. Em 2016, houve 1.374 notificações de acidentes de trabalho, como o caso do adolescente que teve o braço amputado numa olaria, no Pará. No período, foram 200 mortes.

No entanto, muitos disfarçam, no discurso moralizador de que o trabalho dignifica as pessoas, o anseio por mão de obra barata ou escravizada. À elite brasileira não interessa reverter o cenário de desigualdades porque entende que os pobres, desvalidos e desprovidos de políticas públicas não se encaixam no ideal de nação, portanto seus filhos devem ser apenas serviçais.

*Sol Massari, assistente social, mestre em serviço social e especialista em psicopedagogia, integrante do Fórum Municipal de Educação de Santo André e da Frente Regional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum