ONG denuncia Bolsonaro à ONU por política de segurança que extermina população negra

Para o advogado da Educafro, “há uma evidente questão racial” por trás disso, “tendo em vista que 75,5% dos homicídios ocorrem com pessoas negras”

Na avaliação da ONG Educafro, a política de segurança pública nacional provoca um “genocídio” da população negra. Por isso, a organização acabou denunciando o Brasil de Jair Bolsonaro à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), de acordo com informações da coluna de Guilherme Amado, da Época.

“A fim de que essas mortes não sejam devidamente apuradas, a legislação brasileira é conivente com o tratamento dispensado à população negra”, declarou Irapuã Santana, advogado e consultor jurídico da Educafro, autor da denúncia.

Últimos dias para você apoiar a grande reportagem da Fórum no rastro do Óleo das Praias do Nordeste. Bora contribuir!

Santana também afirmou que “há uma evidente questão racial” por trás disso, “tendo em vista que 75,5% dos homicídios ocorrem com pessoas negras”.

A solicitação é no sentido de que os dois órgãos internacionais peçam ao governo de Bolsonaro que “abandone imediatamente a política de enfrentamento que tem gerado um verdadeiro genocídio de sua população negra”. Além disso, pede que haja investimento em inteligência policial.

Moro, Witzel e Doria

A ONG criticou o governo de Bolsonaro, principalmente o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e as gestões dos governadores Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, e João Doria, de São Paulo.

A Educafro é uma entidade sem fins lucrativos que auxilia na preparação de pessoas negras para ingressar nas universidades.

Publicidade
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR