Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de setembro de 2018, 17h56

Organizações e Monica Benicio denunciam violações de direitos em reunião na ONU

Nesta quinta (20), haverá o debate “Militarização da segurança pública: intervenção federal no Rio de Janeiro, execuções extrajudiciais e riscos para defensores de direitos humanos”

Fotos: Pablo Nunes/Observatório da Intervenção

Representantes da Redes da Maré, Observatório da Intervenção, Anistia Internacional, Conectas Direitos Humanos e Monica Benicio, viúva de Marielle Franco e colunista da Fórum, se reuniram nesta quarta-feira (19), em Genebra, na Suíça, com a Alta Comissária Adjunta da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Kate Gilmore, com a Relatora Especial da ONU para Execuções Sumárias, Agnes Callamard, e membros das equipes dos Relatores Especiais da ONU para Defensores de Direitos Humanos e Violência contra a Mulher.

Nas reuniões, o grupo denunciou violações de direitos no contexto da militarização da segurança pública no Brasil; o aumento dos homicídios provocados pela polícia; e a falta de respostas sobre o assassinato da defensora de direitos humanos, a vereadora Marielle Franco.

A Alta Comissária Adjunta expressou sua solidariedade com Monica Benicio e se propôs a estabelecer uma interlocução com o Estado sobre o assassinato de Marielle Franco e a situação dos defensores de direitos humanos no país. Gilmore também lembrou os questionamentos feitos ao Estado Brasileiro, durante a sessão do Conselho de Direitos Humanos sobre a intervenção federal no Rio de Janeiro e as preocupações com as violações de direitos humanos decorrentes da intervenção.

A Relatora da ONU para Execuções Sumárias, Agnes Callamard, também expressou sua solidariedade a Monica Benicio e manifestou sua preocupação com a escalada da violência e com a militarização da segurança pública no Brasil. Ela destacou a importância de discutir propostas concretas para reduzir a violência, com respeito aos direitos humanos.

O grupo encerrou o dia apresentando, para as equipes das relatorias de Defensores de Direitos Humanos e Violência contra a Mulher, dados de pesquisas sobre violência contra a mulher na Favela da Maré e sobre violência contra defensores de direitos humanos no país.

“Em reunião com a ONU, após mais de seis meses sem respostas, denunciei o descaso do governo brasileiro na ausência de justiça frente à execução política de Marielle. Também solicitei apoio internacional para uma investigação imparcial, e sigo afirmando que as autoridades brasileiras estarão com as mãos sujas de sangue até que respondam quem matou e quem mandou matar minha companheira Marielle Franco”, afirma Monica, viúva da vereadora.

“Esse é um momento muito importante para a sociedade civil brasileira e também relevante para a ONU poder entender o que acontece no Brasil. Ao ouvir as demandas trazidas pelas organizações que atuam no terreno, a ONU terá melhores condições de atuar em prol do seu mandato de proteção e promoção dos direitos humanos”, avalia Camila Asano, Coordenadora de Programas da Conectas Direitos Humanos.

“As denúncias que trouxemos para o Conselho de Direitos Humanos sobre as violações de direitos no contexto da intervenção federal e a falta de respostas sobre o assassinato de Marielle já foram feitas no Brasil. Mas as autoridades brasileiras parecem que não estão ouvindo. Falharam em solucionar o caso da Marielle e não implementaram qualquer medida para reduzir os homicídios pela polícia. Diante desse quadro, a mobilização e visibilidade internacional são essenciais. E é isso que estamos fazendo aqui”, destaca Renata Neder, coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional Brasil.

“As reuniões com representantes da ONU mostraram a importância da internacionalização das denúncias de violações de direitos que ocorrem nas favelas e periferias do Brasil. Sem dúvida, esse é um meio de pressionar por mudanças efetivas no campo do direito à vida e à segurança pública”, afirma Eliana Silva, Diretora da Redes da Maré.

“Os encontros foram importantes para constatar que a comunidade internacional vê a intervenção federal com preocupação desde o seu início. Foi importante, também, para compartilhar dados e análises desses sete meses, de forma a consolidar um diálogo internacional sobre os problemas de segurança pública causados pela Intervenção. Essa cooperação se mostra fundamental, uma vez que o governo brasileiro insiste em negar os aumentos dos crimes contra a vida, especialmente as mortes causadas por policiais”, afirma Pablo Nunes, Coordenador de Pesquisa do Observatório da Intervenção.

Debate

Nesta quinta-feira (20), as organizações realizam um evento paralelo à 39º Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU. O debate “Militarização da segurança pública: intervenção federal no Rio de Janeiro, execuções extrajudiciais e riscos para defensores de direitos humanos” acontecerá na Sala XXVII do “Palais de Nations”, às 7h30 (de Brasília – 12h30 de Genebra).

O painel será transmitido ao vivo pela página do Facebook da “Red Internacional de Derechos Humanos”.

 

 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum