Uneafro entra com representação criminal contra Russomanno por racismo

Candidato de Bolsonaro à prefeitura de São Paulo chamou homenagem ao Dia da Consciência Negra de "vandalismo" e se defendeu de críticas afirmando que teve "mãe de leite" e namorada negras

O deputado Celso Rusomanno (Republicanos-SP), candidato à prefeitura de São Paulo, poderá responder criminalmente por declarações que foram interpretadas como racistas. Nesta sexta-feira (6), a Uneafro Brasil, entidade do movimento negro, protocolou uma representação criminal na Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público de São Paulo contra o candidato de Jair Bolsonaro para que ele seja investigado por racismo. As informações são da Folha de S. Paulo.

O motivo é uma fala feita por Russomanno em sabatina do portal UOL, mais cedo. Após classificar como “ato de vandalismo” imagens de punhos cerrados colocadas em semáforos de pedestres em homenagem ao Dia da Consciência Negra, o deputado afirmou que teve “inclusive” namorada negra como exemplo de que “não vê diferença entre negros e brancos”.

“Eu não vou polarizar essa questão. Eu fui criado por uma mãe de leite, negra. Eu sou uma pessoa que não vejo diferença entre os negros e os brancos. Tenho grandes amigos que são negros. E tive namorada, inclusive. Eu não tenho problema nenhum com isso. Agora, a prefeitura não pode fazer uma campanha e não dizer para população o que é que ela está fazendo”, disparou.

Para a Uneafro, a fala do candidato reafirma a “estigma social do ‘lugar dos negros'”. “Na tentativa de se livrar na prática racista realizada, Russomanno reafirma o seu racismo reforçando a estigma social do ‘lugar dos negros’ na sociedade brasileira, ou seja, como mãe de leite, serviçal. Externa, portanto, o racismo da sua conduta”, diz um trecho da representação, que é assinada por Elaine Mineiro, candidata a vereadora pelo PSOL.

Na ação, a entidade chama atenção ainda para o fato de Russomanno ser uma figura pública, com muitos seguidores nas redes sociais e que, além de ter sido racista, suas declarações poderiam incitar outras pessoas a praticarem atos racistas. Por este motivo, a representação pede para que seja aberto um inquérito contra o candidato e que conteúdos radiofônicos e televisivos de Russomanno sobre o tema sejam retirados do ar.

Em nota, a campanha de Russomanno rechaçou a possibilidade de que o candidato possa ter sido racista e afirma que a representação é “infundada, realizada por movimento com o exclusivo objetivo de criar um fato político e de conferir à fala uma dimensão que ela não teve”.

*Com informações da Folha de S. Paulo

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista e repórter especial da Revista Fórum.