Imprensa livre e independente
17 de abril de 2018, 12h41

Dona Ivone Lara precisou ter sido genial para furar a bolha machista das escolas de samba

“Sonho Meu” serviu de hino involuntário da campanha da anistia, em 1979

Dona Ivone Lara. Foto: Natalia Bezerra/Fotos Oficiais da Virada Cultural 2008
Um clichê é sempre repetido quando se fala em Dona Ivone Lara. Ela é a primeira mulher a ser da ala de compositores de uma grande escola de samba do Rio de Janeiro, a Império Serrano. O fato aconteceu em 1965, com o lindo samba “Os cinco bailes da história do Rio”. De lá pra cá, no entanto, pouco ou quase nada mudou. O ambiente das escolas de samba, particularmente das suas alas de compositores, continua a ser amplamente dominado mesmo pelos varões. Dona Ivone Lara precisou ter sido genial para furar este cerco. Ela é uma compositora maravilhosa em qualquer...

Um clichê é sempre repetido quando se fala em Dona Ivone Lara. Ela é a primeira mulher a ser da ala de compositores de uma grande escola de samba do Rio de Janeiro, a Império Serrano. O fato aconteceu em 1965, com o lindo samba “Os cinco bailes da história do Rio”. De lá pra cá, no entanto, pouco ou quase nada mudou.

O ambiente das escolas de samba, particularmente das suas alas de compositores, continua a ser amplamente dominado mesmo pelos varões. Dona Ivone Lara precisou ter sido genial para furar este cerco. Ela é uma compositora maravilhosa em qualquer contexto e entre qualquer gênero. Os seus sambas são lindos, do primeiro time, comparáveis aos maiores e nunca houve a menor indulgência com relação a ela pelo fato de ser mulher.

Muito ao contrário, Dona Ivone só chegou lá porque seus sambas estão no mesmo nível de Paulinho da Viola, Martinho da Vila, Cartola e qualquer um desses grandes sambistas. Quem duvidar que ouça com atenção seus discos, as regravações de suas canções, enfim, tudo o que produziu.

Veja também:  #VazaJato no Twitter: os influenciadores

E, o que é pior, produziu livremente já bem tarde. Era enfermeira e se aposentou com 56 anos, quando, finamente, passou a fazer o que mais amava, ou seja, alguns dos sambas mais lindos da nossa história.

Foi gravada por uma infinidade de intérpretes, muitos deles que saltavam para fora da bolha do samba: Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola, Beth Carvalho, Mariene de Castro, Roberta Sá, Marisa Monte e Dorina.

Teve alguns sucessos inesquecíveis que marcaram definitivamente as últimas décadas, como “Sonho Meu”, “Alguém me Avisou”, o emblemático “Sorriso Negro” entre tantos outros. A versão de “Sonho Meu” no disco “Álibi”, de Maria Bethânia, de 1978, com a participação de Gal Costa, foi um sucesso enorme que iluminou o Brasil.

Havia naquele samba lindo e naquela versão a magia inesperada do encontro de gerações e de localidades. A carioca autora e as duas baianas intérpretes se percebiam e se reencontravam na sua origem, na mesma matiz afrodescendente espalhada ao longo do litoral brasileiro.

Além disso, talvez involuntariamente, o samba serviu de hino para a campanha da anistia, que viria a explodir no ano seguinte, com o objetivo de trazer de volta ou tirar do cárcere inúmeros presos políticos da ditadura militar:

Veja também:  Presidente do PSB diz que votos que contrariam resolução do partido são ‘balbúrdia partidária’

Sonho meu, sonho meu
Vai buscar quem mora longe, sonho meu
Sonho meu, sonho meu
Vai buscar quem mora longe, sonho meu

Vai mostrar esta saudade, sonho meu
Com a sua liberdade, sonho meu

No meu céu a estrela guia se perdeu
E a madrugada fria só me traz melancolia
Sonho meu

Mas Dona Ivone, como todo grande artista, foi mais longe. Mestre em sinuosas melodias e letras certeiras, compôs sambas que, apesar de não terem tido a mesma explosão de sucesso, são exemplos de maestria na forma e conteúdo, perfeição de criação, enfim, genialidade sem fim.

Um deles é o lindo samba “Minha Verdade”, uma especie de epitáfio antecipado de alguém que, mesmo tardiamente, se entregou de corpo e alma a sua paixão e nos deixou uma das maiores obras da nossa canção popular. E a nós, so resta agradecer.

Eu tenho a minha verdade
Fruto de tanta maldade que já conheci
Me deixa caminhar a minha vida
Livremente
O que desejo é pouco

Pois não duro eternamente
Nada poderá me afastar do que eu sou
Amor, é o meu ambiente
Nada poderá me afastar do que eu sou
Me deixa, por favor

Do bom samba sou escravo
Seu fascínio me apertou
Traçou-me este destino
Meu sonho menino se concretizou
Deixe-me agora sonhar
E seguir sem pensar numa desilusão
Que o amor simplesmente
Se faça presente no meu coração

 

Veja também:  Intervenção de Bolsonaro cancela vestibular para LGBTs em universidade federal

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum