Imprensa livre e independente
15 de abril de 2019, 08h20

Doria quer mudar o nome do PSDB para promover uma “faxina ética” na legenda

Governador de São Paulo, Doria quer limar do partido nomes como Aécio Neves, Eduardo Azeredo e Beto Richa, envolvidos em corrupção, além de perseguir desafetos, como o ex-governador Alberto Goldman

Doria e Aécio Neves (Arquivo)
Com o enfraquecimento de históricos quadros tucanos, o governador João Dória (PSDB) consolidou-se, após a eleição 2018, como a maior liderança da legenda e já pensa em mudar o nome do partido, como tática de promover o que chama de “faxina ética” . As informações são de Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo, na edição desta segunda-feira (15) do jornal O Estado de S.Paulo. Uma pesquisa encomendada por ele deve apontar quais estratégias serão adotadas após a convenção nacional da legenda, marcada para o mês de junho. A tentativa de dar uma cara nova ao PSDB se dá em razão do fiasco...

Com o enfraquecimento de históricos quadros tucanos, o governador João Dória (PSDB) consolidou-se, após a eleição 2018, como a maior liderança da legenda e já pensa em mudar o nome do partido, como tática de promover o que chama de “faxina ética” . As informações são de Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo, na edição desta segunda-feira (15) do jornal O Estado de S.Paulo.

Uma pesquisa encomendada por ele deve apontar quais estratégias serão adotadas após a convenção nacional da legenda, marcada para o mês de junho.

A tentativa de dar uma cara nova ao PSDB se dá em razão do fiasco eleitoral do partido no último pleito, quando o ex-governador paulista Geraldo Alckmin atingiu o pior resultado de um candidato tucano em corridas presidenciais.

A bancada da agremiação na Câmara dos Deputados, por sua vez, caiu pela metade.

A mudança de nome não é vista como prioridade por outras lideranças tucanas, mas a adoção de medidas duras contra nomes envolvidos em casos de corrupção estaria sendo defendida inclusive por Alckmin em conversas reservadas.

O ex-governador do Paraná Beto Richa e os ex-governadores mineiros Eduardo Azeredo e Aécio Neves (este, deputado federal) estariam na mira da “faxina”.

Os planos de Dória envolvem também o “expurgo” de desafetos, como o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, que lhe fez críticas públicas e apoiou Paulo Skaf (MDB) na disputa que elegeu o tucano para comandar o Palácio dos Bandeirantes de 2019 a 2022.

Veja também:  Nos braços de Doria, Alexandre Frota se diz decepcionado com Bolsonaro: "Precisa olhar pra trás"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum