Imprensa livre e independente
16 de junho de 2019, 10h31

Em nota, Lava Jato nega que procurador tenha passado informações ao The Intercept

"Está em ação um hacker profissional que criminosamente invadiu perfis e se fez passar por terceiros para guiar interlocutores a falar contra a Lava Jato, sem sucesso", tuitou Deltan Dallagnol, compartilhando a nota

O procurador Deltan Dallagnol (José Cruz/Agência Brasil)
Em nota publicada neste sábado (15), a operação Lava Jato classificou como fake news a informação que tem sido publicada por “alguns blogs” de que o procurador Diogo Castor de Mattos teria vazado as conversas entre investigadores da força-tarefa e o ex-juiz Sergio Moro ao site The Intercept. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo “Tais imputações são absurdas e caluniosas, e estão sendo feitas com base em reportagens antigas contendo mentiras já devidamente rechaçadas anteriormente em notas divulgadas pela assessoria de comunicação do MPF/PR nos anos de 2017 e...

Em nota publicada neste sábado (15), a operação Lava Jato classificou como fake news a informação que tem sido publicada por “alguns blogs” de que o procurador Diogo Castor de Mattos teria vazado as conversas entre investigadores da força-tarefa e o ex-juiz Sergio Moro ao site The Intercept.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Tais imputações são absurdas e caluniosas, e estão sendo feitas com base em reportagens antigas contendo mentiras já devidamente rechaçadas anteriormente em notas divulgadas pela assessoria de comunicação do MPF/PR nos anos de 2017 e 2018”, diz a nota, que foi compartilhada pelo procurador Deltan Dallagnol no Twitter.

“Está em ação um hacker profissional que criminosamente invadiu perfis e se fez passar por terceiros para guiar interlocutores a falar contra a Lava Jato, sem sucesso”, tuitou Dallagnol.

Castor de Mattos
A corrente afirma que Diogo Matos teria deixado a força-tarefa por ser confrontado a explicar sua relação com seus irmãos, os advogados Rodrigo e Analice. A suposta relação imprópria seria pressionar investigados na Lava Jato a contratar os serviços advocatícios dos irmãos.

Veja também:  Deltan Dallagnol diz que lawfare da Lava Jato para tirar Lula do cenário político é "teoria da conspiração"

No ano passado, a assessoria do MPF rebateu o argumento da relação imprópria do procurador com os negócios de seus irmãos. O advogado Rodrigo Mattos assumiu a defesa do delator João Santana em abril de 2017, um mês depois que ele fechou colaboração premiada com o Ministério Público.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum