Imprensa livre e independente
21 de fevereiro de 2019, 06h18

Empresa de assessora de Flávio Bolsonaro é suspeita de receber verba pública de laranjas do PSL no Rio

Durante as eleições, a empresa Ale Soluções e Eventos, da contadora Alessandra Ferreira de Oliveira, que assessorou Flavio Bolsonaro na Alerj, recebeu R$ 55,3 mil a partir de pagamentos de 42 candidatos do PSL no Rio. Desse total, R$ 26 mil tiveram como origem 33 candidatas que só receberam a verba do diretório nacional na reta final da eleição

Flávio e o pai, Jair Bolsonaro (Agência Brasil)
Reportagem publicada nesta quinta-feira (21) na Folha de S.Paulo revela que a empresa de uma ex-assessora de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) foi o destino de recursos públicos do fundo eleitoral entregue a candidatas do PSL no Rio. A verba partidária também teria beneficiado parentes de outra colaborador do filho de Jair Bolsonaro (PSL). Segundo a reportagem, durante as eleições, a empresa Ale Soluções e Eventos, da contadora Alessandra Ferreira de Oliveira, primeira-tesoureira do PSL-RJ, recebeu R$ 55,3 mil a partir de pagamentos de 42 candidatos do PSL no Rio. Desse total, R$ 26...

Reportagem publicada nesta quinta-feira (21) na Folha de S.Paulo revela que a empresa de uma ex-assessora de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) foi o destino de recursos públicos do fundo eleitoral entregue a candidatas do PSL no Rio. A verba partidária também teria beneficiado parentes de outra colaborador do filho de Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo a reportagem, durante as eleições, a empresa Ale Soluções e Eventos, da contadora Alessandra Ferreira de Oliveira, primeira-tesoureira do PSL-RJ, recebeu R$ 55,3 mil a partir de pagamentos de 42 candidatos do PSL no Rio. Desse total, R$ 26 mil tiveram como origem 33 candidatas que só receberam a verba do diretório nacional na reta final da eleição.

De maio de 2018 até o último dia 12, Alessandra dividia as tarefas da empresa com o cargo de assessora da liderança do PSL na Alerj, à época exercida por Flávio, com salário de R$ 6,4 mil.

Das 33 candidatas que contrataram Alessandra, 26 tiveram menos de 2.000 votos. Mais da metade dos R$ 2.857,14 enviados a essas candidatas pelo partido tiveram um mesmo destino: R$ 750 para a empresa da contadora e igual valor para um escritório de advocacia.

Veja também:  Tabata Amaral volta a tuitar após voto pela reforma da Previdência e é criticada por internautas

Segundo relatos à reportagem, a cobrança começou após o PSL Nacional confirmar a liberação dos recursos.

“O Flávio disse que as mulheres não iriam pagar nada. Até porque o partido precisava das mulheres”, disse a guarda municipal Ana Cristina, derrotada a deputada federal. Ela contratou outra contadora com recursos do diretório nacional, por R$ 1.000.

Andrea Cunha, que se candidatou a estadual, diz que Alessandra ameaçou não liberar recursos porque ela já havia contratado outra contadora. “Foi aquela briga danada. Quando achava que não ia receber, caiu na conta.”

Segundo a reportagem, outros beneficiados foram dois parentes de Valdenice de Oliveira Meliga, tesoureira do diretório estadual do PSL.

A empresa Ale Solução e Eventos, de Alessandra, contou inclusive com a candidatura-tampão de duas parentes de Valdenice. A irmã e a nora de Val, como a tesoureira é conhecida, registraram candidatura só em setembro, em substituição a duas mulheres que desistiram da disputa. Elas tiveram as candidaturas indeferidas, mas nem recorreram da decisão. No curto espaço de tempo, realizaram as transferências para a empresa indicada.

Veja também:  Em lista de feitos do governo do pai, Carlos Bolsonaro cita projetos não implementados

Leia a reportagem completa.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum