Imprensa livre e independente
03 de julho de 2019, 18h53

Entidades que atuam no campo jurídico vão à ONU denunciar violações da Lava Jato

Documento foi entregue ao relator especial das Nações Unidas sobre a independência judicial dos magistrados e advogados, Diego García-Sayán

Diego García-Sayán - Foto: Reprodução/YouTube
Oito entidades brasileiras que atuam no campo jurídico denunciaram o que chamaram de uma “série de violações cometidas no âmbito da Operação Lava Jato”. O documento foi entregue ao relator especial das Nações Unidas sobre a independência judicial dos magistrados e advogados, Diego García-Sayán. As organizações mencionam as matérias jornalísticas veiculadas no início de junho pelo site The Intercept Brasil, que mostram diálogos altamente comprometedores entre o então juiz Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo. Em entrevista à Sputnik Brasil, Valdete Severo,...

Oito entidades brasileiras que atuam no campo jurídico denunciaram o que chamaram de uma “série de violações cometidas no âmbito da Operação Lava Jato”. O documento foi entregue ao relator especial das Nações Unidas sobre a independência judicial dos magistrados e advogados, Diego García-Sayán.

As organizações mencionam as matérias jornalísticas veiculadas no início de junho pelo site The Intercept Brasil, que mostram diálogos altamente comprometedores entre o então juiz Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Valdete Severo, representante da Associação Juízes para a Democracia (AJD), uma das signatárias do documento, afirma que o atual ministro da Justiça feriu o princípio da independência judicial.

Independência judicial

“No âmbito da Operação Lava Jato nós tivemos processos penais deflagrados que foram comprometidos e parciais em que o juiz da causa, que hoje é o ministro da Justiça Sergio Moro, auxiliou, orientou, determinou atos da acusação. Isso é uma quebra da independência judicial que não pode ser tolerada porque rompe com o parâmetro mínimo de um Estado democrático”, declara.

Veja também:  Por falta de lisura, Eduardo Cunha é impedido por detentos de ser juiz em torneio de futebol no presídio de Bangu

Além da Associação Juízes para Democracia (AJD), o documento é assinado pela Articulação Justiça e Direitos Humanos (JusDh), a Associação Latino-americana dos Juízes do Trabalho (ALJT), a Terra de Direitos, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), a Justiça Global, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social (Cendhec).

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum