Imprensa livre e independente
06 de julho de 2019, 23h14

Escritora brasileira torturada na ditadura acusa o pai pela sua prisão: “era agente da CIA”

Karen Keilt diz ter provas documentais da colaboração de seu pai, Frederic Birchal Raborg, com os CIA, mas que não tem maiores detalhes porque só as conseguiu após a sua morte. Para ela, a hipótese mais provável é que Raborg teria se apropriado de dinheiro que a CIA enviou através dele ao governo militar da época, e que sua prisão teria sido uma represália por isso.

A escritora brasileira Karen Keilt (Foto: Arquivo pessoal)
A escritora brasileira Karen Keilt passou boa parte de sua vida tentando encontrar as razões que a levaram a passar 45 dias nos porões do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), em São Paulo, em plena ditadura brasileira, onde ela foi torturada e estuprada. Sua tragédia pessoal aconteceu no ano de 1976, e ela nunca soube explicar, já que não era uma opositora do regime. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Após anos buscando respostas, ela finalmente as encontrou, e as revelou em uma recente conversa com leitores, na...

A escritora brasileira Karen Keilt passou boa parte de sua vida tentando encontrar as razões que a levaram a passar 45 dias nos porões do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), em São Paulo, em plena ditadura brasileira, onde ela foi torturada e estuprada. Sua tragédia pessoal aconteceu no ano de 1976, e ela nunca soube explicar, já que não era uma opositora do regime.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Após anos buscando respostas, ela finalmente as encontrou, e as revelou em uma recente conversa com leitores, na cidade de Phoenix, onde confessou: “todos os meus pesadelos foram confirmados quando soube que meu pai trabalhou para a CIA”.

A autora, que vive nos Estados Unidos há 40 anos, disse ter provas documentais da colaboração de seu pai, Frederic Birchal Raborg, com os CIA (Agência Central de Inteligência), mas que não tem maiores detalhes sobre as razões de sua prisão porque só teve acesso a tais evidências após a sua morte (em 1996). Contudo, ela acredita que a hipótese mais provável é que Raborg teria se apropriado de dinheiro que a CIA teria enviado, através dele, ao governo militar da época, e que sua prisão teria sido uma represália por isso.

Veja também:  “Embaixador” Eduardo Bolsonaro blindou convocação de Moro para falar sobre visita à CIA e ao FBI na Câmara

Keilt afirma que tentou perguntar ao pai várias vezes sobre o tema, mas sempre era impedido pela mãe e os irmãos: “não precisa falar disso, seu pai vai ficar furioso, você tem que esquecer o que aconteceu e andar para frente”, dizia sua mãe. Ela também lembra que, durante os últimos dias de vida de Raborg, já no hospital, ela finalmente o questionou sobre o caso, mas sua resposta foi “nunca vou falar sobre isso”. O pai faleceu no dia seguinte.

Em 2011, Karen Keilt lançou o livro The Parrot´s Perch”, em tom autobiográfico, no qual fala sobre a experiência da prisão e da tortura. O título faz alusão ao pau-de-arara, instrumento de tortura usado na ditadura brasileira, e do qual ela foi vítima. O livro não possui versão em português.

A escritora também reconhece que os trabalhos da Comissão da Verdade, criada pelo governo de Dilma Rousseff, foram essenciais para que ela soubesse da verdade sobre o seu caso. Em 2014, ela encontrou uma série de fotos e arquivos levantados pela comissão que demonstram que Raborg trabalhou para divisões da inteligência americana durante por cerca de 20 anos, e chegou a ser figura próxima de generais presidentes comoErnesto Geisel (1974-1979) e João Figueiredo (1979-1985).

Veja também:  Parlamentar muçulmana dos EUA chama apresentador da Fox News que a atacou de "tolo racista"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum