Imprensa livre e independente
17 de outubro de 2016, 10h50

Esfaqueada, travesti apanha e é humilhada em hospital à espera de atendimento

Nátyla Mota, de 21 anos, chegou a levar um tapa no rosto enquanto pedia socorro em um hospital de Maiquinique, na Bahia. Alerta: imagens fortes.

Nátyla Mota, de 21 anos, chegou a levar um tapa no rosto enquanto pedia socorro em um hospital de Maiquinique, na Bahia. Alerta: imagens fortes Por Redação Na última semana, um vídeo se espalhou pelas redes sociais ao mostrar a travesti Nátyla Mota, de 21 anos, no chão de um hospital, sangrando, após ser esfaqueada em um evento político no município de Maiquinique, na Bahia. O episódio chamou a atenção devido à violência com que a jovem foi tratada, chegando a levar um tapa no rosto enquanto esperava atendimento. Ela tentou pedir socorro, mas foi ignorada por várias pessoas que...

Nátyla Mota, de 21 anos, chegou a levar um tapa no rosto enquanto pedia socorro em um hospital de Maiquinique, na Bahia. Alerta: imagens fortes

Por Redação

Na última semana, um vídeo se espalhou pelas redes sociais ao mostrar a travesti Nátyla Mota, de 21 anos, no chão de um hospital, sangrando, após ser esfaqueada em um evento político no município de Maiquinique, na Bahia.

O episódio chamou a atenção devido à violência com que a jovem foi tratada, chegando a levar um tapa no rosto enquanto esperava atendimento. Ela tentou pedir socorro, mas foi ignorada por várias pessoas que transitavam pelo local.

O delegado Irineu Alves Andrade esteve no Hospital Cristo Redentor, colheu informações para dar início às investigações e ativistas do movimento LGBT da região planejam uma manifestação para alertar sobre o ocorrido. O estado de saúde de Nátyla permanece estável.

Veja também:  Rompimento de barragem no interior da Bahia deixou 150 famílias desabrigadas e afetou outras 500

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum