PÓDIO VERDE E AMARELO

Pan 2023: Mulheres se destacam e levam 95 das 205 medalhas brasileiras

Presidente Lula exaltou participação brasileira, que ficou em segundo lugar na competição em Santiago, no Chile, e bateu recorde de vitórias

Créditos: COB ( Rafael Bello) - Mulheres da delegação brasileira no Pan 2023 levaram o maior número de medalhas
Escrito en ESPORTE el

O Brasil alcançou resultados sem precedentes nos Jogos Pan-Americanos de Santiago 2023 e estabeleceu um novo recorde de medalhas. O destaque foi a performance das mulheres da delegação brasileira. Das 205 medalhas conquistadas, incluindo 66 de ouro, 73 de prata e 66 de bronze, a maioria foi conquistada por mulheres. Este feito reforça a crescente dependência do talento e esforço feminino para o sucesso esportivo do país.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva exaltou o desempenho da delegação verde e amarela pelas redes sociais.

Destaque feminino

Das 66 medalhas de ouro conquistadas, as mulheres foram responsáveis por 33, com 29 em categorias femininas e 4 em disputas mistas. No total, as mulheres acumularam 95 medalhas, enquanto os homens conquistaram 92, e as equipes mistas, 18.

Três mulheres se destacam como as atletas brasileiras mais condecoradas, com cinco pódios no total.

  • Bárbara Domingos (ginástica rítmica) conquistou três medalhas de ouro e duas de prata;
  • Stephanie Balduccini (natação) recebeu uma medalha de ouro, três de prata e uma de bronze; e
  • Flávia Saraiva (ginástica artística) acumulou quatro medalhas de prata e uma de bronze, consolidando sua posição de destaque na delegação.

Bárbara comentou o seu desempenho na competição para o site do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). 

Descobri ontem que sou a maior medalhista do Brasil nos Jogos. É muito gratificante saber que, em tantos esportes, fui a atleta com mais medalhas. Fico muito feliz e realizada porque isso é resultado de muito trabalho árduo em equipe com meu corpo técnico

Performance masculina

No lado masculino, os nadadores Guilherme Costa, ficou com quatro medalhas de ouro, e Guilherme Caribé, com três de ouro e uma de prata.

De acordo com Ney Wilson, diretor de Esportes do COB e subchefe de missão em Santiago, a ascensão das mulheres no esporte é resultado de um esforço diferenciado, com espaço para crescimento.

Indiscutivelmente, as mulheres têm feito a diferença em nosso resultado final. Muitas modalidades estão compreendendo a importância de abordagens específicas e diferenciadas para homens e mulheres. Atualmente, muitas das confederações estão trabalhando nesse sentido, e isso está fazendo uma grande diferença. Reconhecemos que algumas modalidades ainda têm margem para aprimorar o trabalho com o esporte feminino, o que pode acelerar ainda mais nossa evolução.

Confira o quadro de medalhas do Brasil neste link.