Alvo de fake news de Allan dos Santos, jogador Eriksen se manifesta nas redes: “Estou bem, dentro das circunstâncias”

Blogueiro bolsonarista associou o mal súbito do camisa 10 da Dinamarca aos efeitos da vacina contra Covid-19

O jogador Christian Eriksen, camisa 10 da Dinamarca, fez uma publicação nas redes sociais, na madrugada desta terça-feira (15), para atualizar os fãs sobre seu estado de saúde – que apresenta melhoras. O meio-campo da Inter de Milão teve um mal súbito durante uma partida no domingo (13) e precisou ser reanimado no gramado antes de ser conduzido ao hospital.

“Muito obrigado por seus carinhosos e surpreendentes cumprimentos e mensagens de todo o mundo. Isso significa muito para mim e minha família. Estou bem – dentro das circunstâncias. Ainda tenho que fazer alguns exames no hospital, mas me sinto bem. Agora, vou torcer pelos meninos da seleção da Dinamarca nas próximas partidas”, escreveu o jogador no Instagram.

Eriksen foi alvo de uma fake news que associava o mal súbito que teve à vacina contra Covid-19. O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, do Terça Livre, foi um dos que compartilhou a informação falsa nas redes sociais.

Em seu perfil do Twitter, o blogueiro escreveu que “o médico-chefe e cardiologista da equipe italiana confirmou via rádio italiana que Eriksen havia recebido a vacina Pfizer em 31 de Maio”. Segundo ele, “há especulações de que ele teve coágulo sanguíneo ou miocardite, nada ainda confirmado em relação à vacina, mas o questionamento é grande”.

A informação, no entanto, é falsa. O diretor executivo da Inter de Milão, Giuseppe Marotta, declarou na tarde do domingo que Eriksen nunca testou positivo para Covid-19 e não foi imunizado. “Ele não teve Covid e também não foi vacinado. Eu posso dizer que a equipe médica da Inter está em contato com todos da Dinamarca e com ele desde o início”, declarou Marotta à emissora italiana RAI Sport.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR