Assédio sexual: funcionária da CBF diz que presidente da entidade tentou forçá-la a comer ração e a chamou de “cadela”

Funcionária da CBF protocolou denúncia contra Rogério Caboclo na Comissão de Ética e na Diretoria de Governança e Conformidade da entidade nesta sexta-feira (4)

Uma funcionária da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que não teve o nome revelado, protocolou nesta sexta-feira (4) uma denúncia de assédio sexual e assédio moral contra o presidente da entidade, Rogério Caboclo. As informações foram confirmadas por reportagem de Gabriela Moreira e Martín Fernandez, do Globo Esporte.

A denúncia foi protocolada, segundo a reportagem, na comissão de Ética da CBF e a Diretoria de Governança e Conformidade, e nela a funcionária narra e afirma ter provas de situações de assédio moral e sexual supostamente praticadas por Caboclo desde abril de 2020.

Entre os abusos que teria sofrido, estão uma pergunta de Caboclo querendo saber se ela se masturba e uma ocasião em que ele teria tentado forçá-la a comer ração de cachorro, a chamando de “cadela”. A mulher ainda relatou que o presidente da CBF, a outros diretores, teria exposto sua vida sexual, criando narrativas falsas sobre supostos relacionamentos que teria tido com pessoas da entidade.

“Tenho passado por um momento muito difícil nos últimos dias. Inclusive com tratamento médico. De fato, hoje apresentei uma denúncia ao Comitê de Ética do Futebol Brasileiro e à Diretoria de Governança e Conformidade, para que medidas administrativas sejam tomadas”, afirmou a funcionária à reportagem do Globo Esporte.

Confira a íntegra da matéria aqui.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR