Cova América: Número de infectados dobra e competição já soma 41 casos de Covid-19

A seleção da Venezuela foi a mais atingida até então, com ao menos 13 casos confirmados

Dois dias após o início da Copa América no Brasil, ao menos 41 pessoas já foram infectadas com Covid-19. Os casos abrangem jogadores, integrantes das delegações e prestadores de serviço. Deste total, segundo o Ministério da Saúde, 31 foram detectados em atletas e membros das delegações, e o restante em funcionários contratados pela Conmebol.

Até esta segunda-feira (14), 20 integrantes das delegações de Venezuela, Bolívia, Colômbia e Peru, entre atletas e membros da comissão técnica, haviam testado positivo para Covid-19. O número, portanto, dobrou até a nova confirmação do Ministério da Saúde.

Todos os casos ocorreram em Brasília. A seleção da Venezuela, por exemplo, confirmou 13 casos; a da Bolívia, quatro. As equipes reúnem jogadores que atuam em países que registraram, pelo menos, seis variantes do coronavírus, de acordo com levantamento do Poder360.

O cientista Miguel Nicolelis foi às redes sociais para criticar o torneio. “24h da Copa Coronavírus da América e já são 41 infectados. Quarenta e uma pessoas que não precisavam ter tido contato com um vírus letal foram expostas aos riscos letais da Covid-19. Tudo pela ganância de uns poucos dirigentes. Quantos mais serão expostos nas próximas semanas?”, questionou.

Os testes para Covid-19 entre os participantes da competição são realizados a cada 48 horas por laboratórios privados. Quem testar positivo realiza o teste genético para saber qual cepa do coronavírus está infectado.

A competição não seria realizada no Brasil. Uma imposição de Jair Bolsonaro fez com que o torneio viesse para o país, após desistência de Colômbia e Argentina. O técnico da seleção brasileira, Tite, e os jogadores foram contra a decisão, mas decidiram jogar.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR