Juiz australiano determina que Djokovic seja liberado e anula cancelamento de visto

Tenista estava detido numa sala do serviço de imigração da Austrália, no aeroporto de Melbourne, após embarcar para disputar o Australian Open sem ter recebido as vacinas contra a Covid-19

A Justiça australiana determinou nesta segunda-feira (10) que o tenista Novak Djokovic, atualmente o número 1 do mundo, seja liberado da detenção temporária e que o cancelamento do seu visto seja anulado.

Ele estava detido numa sala do serviço de imigração da Austrália, no aeroporto de Melbourne, após embarcar para a nação da Oceania para disputar o Australian Open sem ter recebido as vacinas contra a Covid-19.

Segundo o juiz Anthony Kelly, o Ministério de Assuntos Internos da Austrália deverá pagar os custos de Djokovic conforme acordado ou avaliado. Todos os seus pertences, incluindo o passaporte, devem ser devolvidos a ele “assim que for razoavelmente praticável”.

O advogado do governo federal disse a decisão será cumprida, mas que o Ministro da Imigração, Cidadania, Serviços para Migrantes e Assuntos Multiculturais consideraria “se deve exercer um poder pessoal de cancelamento”. Em resposta, Kelly deixou claro que gostaria de ser informado se o processo legal se arrastasse.

Notícias relacionadas

Djokovic, negacionista número 1 do tênis

Djokovic teria conseguido uma autorização especial para entrar no país sem apresentar comprovantes de imunização, mas o escândalo do caso aparentemente fez as autoridades australianas voltarem atrás. O atleta é um conhecido e inveterado negacionista, abertamente contrário aos imunizantes que previnem formas graves da doença provocada pelo Sars-Cov-2.

Pelas leis da Austrália, todos os viajantes que chegam ao país, inclusive os jogadores do importante torneio de tênis, assim como suas equipes e outros participantes do campeonato, devem apresentar o comprovante de vacinação para serem liberados no aeroporto.

Os que puderam comprovar algum impedimento de saúde que justifique o não recebimento das doses precisarão ser avaliados por uma junta médica independente. Djokovic conseguiu assim a sua permissão, mas o episódio tornou-se um fuzuê nacional e ele acabou sendo barrado pelos agentes.

Cobrado pela população, o governo australiano foi obrigado a se pronunciar nas redes sociais explicando a tal autorização excepcional concedida ao tenista, que ainda assim não valeu para sua liberação. O tom do texto deixa transparecer a saia justa em que a gestão do primeiro-ministro Scott Morrison se meteu ao ceder às pressões antivacina de Djokovic, num país que tem um dos conjuntos de regras para imunização mais rígidos do mundo.

Publicidade
Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.