Governador do Rio veta troca de nome do Maracanã para Edson Arantes do Nascimento, Rei Pelé

MP-RJ havia recomendado a não aprovação do PL, pois decreto municipal de 2012 considera o Maracanã, cujo nome de batismo é Estádio Jornalista Mário Filho, integrado à identidade cultural carioca

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), usou o Diário Oficial desta quinta-feira (8) para vetar a troca de nome de batismo do Maracanã, de Estádio Jornalista Mário Filho para Edson Arantes do Nascimento, Rei Pelé.

A proposta, em homenagem ao camisa 10 mais famoso de todos os tempos e astro da seleção brasileira e do Santos FC, constava de projeto de lei (PL), aprovado pela Assembleia Legislativa (Alerj).

Na terça (6), a própria Alerj havia voltado atrás, diante da repercussão negativa, depois da aprovação do PL, em regime de urgência.  

O deputado André Ceciliano (PT), presidente da Alerj e autor do projeto, se reuniu, de forma virtual, com o Colégio de Líderes e os parlamentares concluíram que deveriam recomendar ao governador o veto à troca de nome. 

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) já havia recomendado ao governador que vetasse o projeto, pois um decreto municipal de 2012 considera o Maracanã integrado à identidade cultural carioca.

Homenagem

O nome oficial do Maracanã é uma homenagem ao jornalista Mário Leite Rodrigues Filho, que coordenou a campanha pela construção do estádio, no final dos anos 40. A praça de esportes sediou a primeira Copa do Mundo no país e foi inaugurada em 16 de junho de 1950.

Irmão do dramaturgo e escritor Nelson Rodrigues, Mário Filho escrevia no Jornal dos Sports, de sua propriedade.

Com informações da Agência Brasil

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.