Campeã olímpica, atleta sul-coreana é alvo de ataques misóginos por corte de cabelo

An San conquistou três ouros nas Olimpíadas de Tóquio

A atleta sul-coreana An San, campeã olímpica no Tiro com Arco, é frequente alvo de ataques misóginos por conta de seu corte de cabelo. Recordista em medalhas após três ouros nas Olimpíadas de Tóquio, a arqueira é atacada por trolls que a agridem por considerarem que ela é feminista.

Após An San levar os três ouros e se tornar a primeira atleta dede 1904 a conquistar esse feito, perfis como o “solidarity_kr” e “Copa Além da Copa” trouxeram à tona os ataques sofridos pela arqueira.

“Comentários suspeitando da identidade feminista da arqueira An emergiram do momento em que ela apareceu na TV nacional durante os jogos de tiro com arco das Olimpíadas deste ano; seu cabelo curto era um suposto sinal de seu feminismo”, apontou o solidarity_kr.

A partir daí, fóruns predominantemente masculinos tomaram a atleta como alvo. “Atualmente, há um forte sentimento antifeminista na Coreia do Sul, em especial na internet, com homens acusando empresas de “feminismo extremo” nas suas campanhas publicitárias e exigindo pedidos de desculpas”, destaca o perfil Copa Além da Copa.

A reação misógina foi tão grande que houve pedidos pela desconsideração das medalhas olímpicas da atleta.

Por outro lado, An San recebeu o apoio de mulheres que se solidarizaram com ela diante dos ataques. Ativistas, parlamentares e internautas divulgaram mensagens em favor da atleta olímpica e compartilharam fotos com corte de cabelo curto.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR