Faltou o Felipe Melo: Renato Gaúcho e Maurício do Vôlei sofrem derrotas históricas

Repercussão negativa nas redes foi péssima para ambos. Maracanã inteiro xingou Renato em coro ao final do jogo

A noite desta quarta-feira (27) foi de derrota para os ídolos bolsonaristas. Maurício Souza foi demitido do time de vôlei do Minas Tênis Clube após postagem homofóbica, e o técnico do Flamengo, Renato Gaúcho, foi xingado pelos torcedores depois do clube rubro-negro ser eliminado da Copa do Brasil ao perder por três a zero para o Athletico-PR.

No estádio, os torcedores até puxaram um coro: “Ei, Renato, vai tomar no c*, além de cantarem a música em homenagem ao técnico Jorge Jesus. “Olê, olé, olé, olê, mister, mister”, ecoou no Maracanã.

E a repercussão negativa não ficou só dentro do campo. Nas redes sociais, ambos foram detonados. “Pensar que recebi ameaças apenas por criticar as escolhas do Renato nos jogos que eu trabalhei. Era desculpa do tempo de trabalho, depois dos desfalques e ninguém podia criticar. Ironia de colegas aqui, geral me mandando estudar e respeitar ‘um treinador campeão'”, escreveu a comentarista esportiva Ana Thaís Matos.

O jornalista Fernando Campos também criticou o trabalho do treinador. “Qualquer profissional precisa se capacitar para estar no melhor nível possível e o Renato Gaúcho já cansou de menosprezar o estudo. Muita bravata, frase pronta, zero ideias e pouco trabalho”, afirmou.

Uma das maiores críticas ao trabalho de Renato Gaúcho foi, justamente, a sua falta de humildade. Muitas pessoas lembraram a frase dita por ele ao ser questionado sobre o péssimo desempenho do Grêmio durante uma partida: “Cobrem futebol bonito do Atlético-MG e do Flamengo. Se me derem R$ 200 milhões, cobrem do Grêmio”, disse na ocasião.

Renato Gaúcho saiu do Flamengo?

Segundo reportagem do Globo Esporte, Renato Gaúcho entregou o cargo após a traumática eliminação do Flamengo na Copa do Brasil, mas foi demovido da ideia pela diretoria do clube. Ele teria se reunido com Marcos Braz e Bruno Spindel ainda no calor do jogo, no vestiário do Maracanã, e comunicado que deixaria o rubro-negro.

O treinador assumiu a responsabilidade pelos resultados ruins, mas Braz e Spindel disseram que contavam com o trabalho para sequência da temporada. Os dirigentes ainda reforçaram que “só eles que estavam ali dentro seriam capazes de mudar o rumo da temporada” e endossaram o voto de confiança ao treinador.

A realidade, por sua vez, é de que cada vez mais cresce nos corredores do Ninho do Urubu questionamento ao trabalho de Renato, principalmente ao conteúdo de suas atividades.

Publicidade

Notícias relacionadas

Minas Tênis Clube demite Maurício Souza

O pedido de desculpas do jogador Maurício Souza em um perfil no Twitter com menos de 500 pessoas não convenceu o Minas Tênis Clube, que anunciou na noite desta quarta que o jogador não faz mais parte da equipe. Uma das pessoas que se prontificou a comemorar a decisão foi Douglas Souza, jogador de vôlei abertamente homossexual: “Homofobia não é opinião. Grande dia”, escreveu.

Renan Dal Zotto, técnico da seleção brasileira de vôlei, fechou as portas para Maurício Souza e afirmou que a seleção brasileira de vôlei “não tem espaço para profissionais homofóbicos”. 

Publicidade

“Fiquei decepcionado. É inadmissível este tipo de conduta do Maurício e eu sou radicalmente contra qualquer tipo de preconceito, homofobia, racismo”, disse em entrevista ao “O Globo”.

Sâmia Bomfim (PSOL) também comemorou e pediu que a “homofobia e todo tipo de crime de ódio não sejam mais tolerados dentro e fora das quadras”. O senador Fabiano Contarato (Rede) lembrou, ainda, as postagens transfóbicas do atleta na sua página no Instagram. “Transfobia é crime e não podemos mais reduzir crimes de ódio a meras ‘escorregadas’!”, escreveu.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.