Imprensa livre e independente
29 de julho de 2017, 11h12

Estudante joga a namorada grávida contra um ônibus para não assumir o filho. Veja o vídeo

O estudante ainda tentou obter as imagens da câmera de segurança de um prédio que mostram o crime. Ele está preso e responderá por tentativa de feminicídio.

O estudante ainda tentou obter as imagens da câmera de segurança de um prédio que mostram o crime. Ele está preso e responderá por tentativa de feminicídio. Da Redação* Um estudante de Direito foi preso nesta sexta-feira (28) pela Delegacia Especializada no  Atendimento à Mulher do Centro, acusado de ter empurrado a ex-namorada, que está grávida de 4 meses, na frente de um ônibus em movimento em Botafogo, na Zona Sul do Rio. O caso aconteceu na última quarta-feira à noite. Lucas Florençano de Castro Monteiro, de 25 anos, foi preso em casa, em Botafogo, e não ofereceu resistência à...

O estudante ainda tentou obter as imagens da câmera de segurança de um prédio que mostram o crime. Ele está preso e responderá por tentativa de feminicídio.

Da Redação*

Um estudante de Direito foi preso nesta sexta-feira (28) pela Delegacia Especializada no  Atendimento à Mulher do Centro, acusado de ter empurrado a ex-namorada, que está grávida de 4 meses, na frente de um ônibus em movimento em Botafogo, na Zona Sul do Rio. O caso aconteceu na última quarta-feira à noite. Lucas Florençano de Castro Monteiro, de 25 anos, foi preso em casa, em Botafogo, e não ofereceu resistência à prisão.

De acordo com a delegada Gabriela Von Beauvois, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher do Centro (DEAM/Centro), Lucas teria tentado matar a ex-namorada porque estava com uma viagem de intercâmbio planejada para o Canadá no próximo mês.

“Eles eram namorados há 2 anos e terminaram quando ela descobriu que estava grávida. Ele estava com intercâmbio marcado para o Canadá e achou que a gravidez atrapalharia o futuro dele. Ele insistiu que ela abortasse mas, quando viu que ela não iria fazer isso, marcou um encontro dizendo que tinha que conversar com ela e cometeu o crime”, contou a delegada.

Veja também:  Flávio Dino se solidariza com Vaza-Jato e diz que Moro age com “prepotência” e “autoritarismo”

Imagens de câmeras de segurança, às quais o EXTRA teve acesso com exclusividade, mostram o momento em que a grávida é atirada por Lucas contra o ônibus. A estudante ainda tropeça antes de ser atingida. Depois, se levanta e começa a gritar com o rapaz que permanece imóvel.

Tentou destruir as provas

A Polícia Civil descobriu ainda que Lucas, tentou ter acesso às imagens de câmeras de segurança de um prédio que mostram o crime.

No vídeo, obtido com exclusividade pelo EXTRA, é possível ver Lucas chegando na portaria e falando com o porteiro e o faxineiro do prédio. Eles chegam a apontar para a televisão que mostra as câmeras e para rua, onde tudo aconteceu. De acordo com a delegada responsável pelo caso, Gabriela Von Beauvois, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher do Centro (DEAM/Centro), Lucas foi ao prédio e se identificou como parente da vítima para ter acesso ao material.

— Ele foi até o prédio na manhã do dia seguinte e, segundo o depoimento do porteiro, se identificou como um parente da ‘menina que tinha sido atropelada ontem’ e disse que queria ter acesso ao vídeo. O porteiro disse que desconfiou do rapaz e que não podia passar as imagens. Ele, possivelmente, queria destruir as imagens, mas não conseguiu. O porteiro disse para ele que não tinha acesso às câmeras e que só conseguia mostrar o local que a câmera conseguia filmar — explicou.

Veja também:  Perfil de Lula no Twitter comenta nova reportagem da Vaza-Jato: "A máscara deles vai cair"

“Eu vi que você a jogou”, disse testemunha

A delegada contou ainda que, no dia do crime, Lucas também buscou a estudante de Direito no metrô de Botafogo e iria com ela até sua casa. No caminho, na Praia de Botafogo, ele observa um ônibus vindo e empurra a jovem na frente do coletivo.

“É uma cena horrível. Quando eles chegam na Praia de Botafogo, é possível ver o exato momento em que ele olha o ônibus chegando para empurrá-la. A sorte é que o motorista estava devagar e percebeu, viu tudo, e conseguiu frear. A roda do ônibus pegou nas pernas dela. Foi Deus”, disse a delegada.

A jovem ficou com as duas pernas feridas. A perna direita ficou em carne viva, segundo a delegada. A estudante foi socorrida por um jovem que confrontou Lucas na cena do crime:

“O homem que a socorre fala para o Lucas: ‘Eu vi que você a jogou!”. Ela contou em depoimento que estava muito preocupada com o bebê e que pediu para ir logo para o hospital. Uma mulher, então, pegou táxi e foi com ela”, relatou.

Veja também:  Projeto de Bolsonaro contra conselhos profissionais enfurece OAB

A vítima passou por uma bateria de exames na maternidade Perinatal, em Laranjeiras, e no Copa D’OR, em Copacabana. Apesar dos ferimentos, a jovem permanece com uma das pernas imobilizada e o bebê passa bem.

Nesta quinta-feira, após receber alta, ela prestou queixa na DEAM. Com base no depoimento, os agentes da DEAM/Centro deram início às diligências, colhendo depoimentos de testemunhas e indo ao local do crime. Um trabalho de inteligência resultou na verificação das imagens de câmeras de segurança de um edifício que flagraram o crime.

O pedido de prisão temporária de Lucas foi expedido pelo Plantão Judiciário da Capital, na madrugada desta quinta. Segundo a delegada, o jovem se assustou ao ser encontrado pela polícia.

Lucas Florençano, de 25 anos, é preso por policiais após tentar matar ex-namorada
Lucas é preso. Foto: Polícia Civil

— Ele não ofereceu resistência, mas estava assustado. Ainda não prestou depoimento porque está conversando com o advogado — disse.

Lucas responderá por tentativa de feminicídio. Ele não tinha passagens pela polícia. A DEAM agora trabalha para identificar o motorista do ônibus e o homem que presta socorro à jovem nas imagens para que eles também possam prestar depoimento.

*Com informações do Extra

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum