Imprensa livre e independente
02 de julho de 2019, 15h48

Ex-ministros da Cultura lançam manifesto contra o governo Bolsonaro

Documento pede a volta da pasta que foi extinta pelo Planalto

Gil Luiz Mendes / Revista Fórum
Francisco Weffort, Marta Suplicy, Marcelo Calero, Juca Ferreira e Luiz Roberto Nascimento se reuniram na manhã desta terça-feira (2) no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP) para produzirem uma carta em que repudiam as atuais atitudes do governo federal no âmbito da Cultura. No final do encontro os cinco ex-ministro apresentaram o documento para a imprensa. A carta começa destacando que o grupo é composto por integrantes de diferentes governos e campos políticos, mas que estão unidos por uma causa maior que é a defesa da cultura enquanto expressão da identidade nacional, vetor econômico e direito...

Francisco Weffort, Marta Suplicy, Marcelo Calero, Juca Ferreira e Luiz Roberto Nascimento se reuniram na manhã desta terça-feira (2) no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP) para produzirem uma carta em que repudiam as atuais atitudes do governo federal no âmbito da Cultura. No final do encontro os cinco ex-ministro apresentaram o documento para a imprensa.

A carta começa destacando que o grupo é composto por integrantes de diferentes governos e campos políticos, mas que estão unidos por uma causa maior que é a defesa da cultura enquanto expressão da identidade nacional, vetor econômico e direito fundamental de todo cidadão. Outro trecho do manifesto aponta para os cortes de recursos de mecanismos fundamentais na área.

“Assim, carece de sentido a redução de recursos de forma contínua para o setor cultural. Isso tem se dado pelo contingenciamento do Fundo Nacional da Cultura e pela demonização das redes de incentivo, notadamente a Lei Rouanet”, diz o documento.

A iniciativa para a reunião partiu do ex-ministro no governo Fernando Henrique Cardoso, Francisco Weffort. Além dos participantes do encontro desta terça-feira, outros ex-gestores da pasta também foram convidados, mas não puderam participar por um problema de agenda. “Foi extremamente fácil, apesar de termos feito esse documento em poucas horas, com pessoas que não se encontram sempre”, declarou Marta Suplicy, responsável pelo Ministério da Cultura durante o governo Dilma Rousseff.

Veja também:  Coordenador geral do Gaeco do Paraná é acusado de assédio sexual

Durante a conversa com os jornalistas, os integrantes do encontro repetiram que há uma tentativa de demonização na área cultural por parte do governo Bolsonaro, tentando colocar a sociedade contra aqueles que produzem arte no Brasil. “Essa forma de asfixia do setor do ponto de vista econômico é preocupante. Mas esse documento também traz uma defesa da liberdade expressão”, comentou Luiz Roberto Nascimento Silva, ministro da cultura durante o governo de Itamar Franco.

Juca Ferreira, ministro durante o governo Lula, bateu forte contra o presidente e seus apoiadores. Para ele, a extrema direita brasileira é obcecada por termos como guerra cultural e marxismo cultural. “Eu não tenho direito, pela idade que tenho, de ter expectativas de colaborar com esse governo. Pelo contrário, sou oposição. É a burrice e a ignorância que saiu do armário neste governo”.

Antes do encontro de hoje, outros ex-ministros de outras pastas já fizeram reuniões semelhantes a desta terça. Isso com ocorreu com a educação, quando José Goldemberg, Murilo Hingel, Cristovam Buarque, Fernando Haddad, Aloísio Mercadante e Renato Janine Ribeiro se reuniram no início de junho. Para defender o meio ambiente se reuniram também Rubens Ricupero, José Sarney Filho, José Carlos Carvalho, Marina Silva, Carlos Minc, Izabella Teixeira, Edson Duarte e Gustavo Krause.

Veja também:  Em silêncio, Câmara aprova “minirreforma trabalhista”

Confira, abaixo, a íntegra do manifesto dos ex-ministros da Cultura.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum