Imprensa livre e independente
15 de março de 2018, 08h33

Execução de Marielle Franco é notícia no Brasil e no exterior

Assunto apareceu com destaque em diversas publicações internacionais, como o "The New York Times", o "The Washington Post" e outros

Marielle Franco. Foto: Montagem Brasil 247
Por Rio 247, com Agência Brasil O assassinato brutal da vereadora Marielle Franco, do PSOL, que foi morta a tiros no bairro do Estácio, região central da capital carioca, na noite desta quarta-feira (14), repercutiu também no exterior. Assunto apareceu com destaque em diversas publicações internacionais, como o “The New York Times”, o “The Washington Post” e outros. Ativista do movimento negro e oriunda da favela da Maré, Marielle voltava de um evento chamado “Jovens negras movendo as estruturas”, na Lapa, quando, de acordo com testemunhas, teve o carro emparelhado por outro veículo, de onde partiram os tiros. Uma ambulância do quartel...

Por Rio 247, com Agência Brasil

O assassinato brutal da vereadora Marielle Franco, do PSOL, que foi morta a tiros no bairro do Estácio, região central da capital carioca, na noite desta quarta-feira (14), repercutiu também no exterior.

Assunto apareceu com destaque em diversas publicações internacionais, como o “The New York Times”, o “The Washington Post” e outros.

Ativista do movimento negro e oriunda da favela da Maré, Marielle voltava de um evento chamado “Jovens negras movendo as estruturas”, na Lapa, quando, de acordo com testemunhas, teve o carro emparelhado por outro veículo, de onde partiram os tiros.

Uma ambulância do quartel central do Corpo de Bombeiros foi acionada para o local e constatou a morte da parlamentar e do motorista. A vereadora estava indo para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, voltando de um evento ligado ao movimento negro, na Lapa.

Segundo informações preliminares da Polícia Militar do RJ, que atendeu a ocorrência, a parlamentar e o motorista, Anderson Pedro Gomes, foram baleados e morreram no local. A assessora Fernanda Chaves sobreviveu ao ataque e não teria sofrido nenhum tiro, segundo o Corpo de Bombeiros.

Veja também:  Seis meses de Bolsonaro: três debates e três perspectivas atravessam a esquerda

Em nota, a Executiva Nacional do PSOL manifestou pesar pelo assassinato da vereadora e destacou sua atuação política. “A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta”, diz um trecho. O partido também exigiu apuração “imediata e rigorosa” sobre as circunstâncias do crime.

Há duas semanas, Marielle havia assumido relatoria da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio criada para acompanhar a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ela vinha se posicionando publicamente contra a medida.

A parlamentar também chegou a denunciar, em suas redes sociais, no fim de semana, uma ação de policiais militares na favela do Acari. “O 41º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. (…) Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum