o colunista

por Cleber Lourenço

01 de julho de 2019, 21h18

Exército brasileiro homenageia nazista e passa vergonha nas redes

Cleber Lourenço: “Os bolsonaristas, em questão, mal apareceram, uma vez que a situação os colocaria em xeque. Afinal de contas, eles acreditam que o nazismo é de esquerda”

Reprodução/Twitter

Geralmente escrevo uma vez por dia por aqui, mas às vezes a insensatez me obriga a escrever mais.

No início da noite desta segunda-feira (1), o Exército brasileiro decidiu homenagear, via Twitter, o major alemão Eduard Ernest Tito Otto Maximilian von Westernhagen, morto por militantes do Comando Libertador Nacional (COLINA), organização criada por dissidentes da Política Operária (POLOP), em Minas Gerais e no Rio de Janeiro.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

O que a publicação do Exército esqueceu de dizer, ou pelo menos tentou amenizar de forma pífia (explicarei mais a frente), foi o fato de que o militar alemão foi um combatente do Exército nazista. Sim, um súdito do Eixo!

Não demorou muito para a publicação no Twitter oficial ser alvo de críticas.

Veja também:  Flávio e Toffoli: a decisão certa e a pessoa errada

Os bolsonaristas, em questão, mal apareceram, uma vez que a situação os colocaria em xeque. Afinal de contas, eles acreditam que o nazismo é de esquerda. Caso façam a defesa do episódio, estariam defendendo o direito do Exército brasileiro de homenagear alguém que, na visão deles, é um esquerdista?

Risos. Mas a verdade é dura. Menção honrosa para o trecho que decidiu chamar o major nazista de “sobrevivente da Segunda Guerra”.

O pessoal do “Senta a Pua!” e do “A cobra vai fumar!” deve estar muito “honrado”.

O sacrifício deles não valeu muito, pelo visto.

Esse soldado nazista fez parte da frente oriental europeia, que teve início com a invasão da Polônia.

Foi nesta frente que ocorreram as maiores atrocidades com campos de extermínio e marchas da morte. E o homenageado estava lá. Não é por menos que foi homenageado com uma Cruz de Cavaleiro – uma variante da Cruz de Ferro. Esta era a mais alta condecoração concedida pela Alemanha Nazista para reconhecer os atos a bravura em combate ou por uma liderança bem-sucedida e decisiva durante a Segunda Guerra Mundial.

Veja também:  Kim Kataguiri, do MBL, sai em defesa de Danilo Gentili por "patrulha politicamente incorreta da direita"

Mas não me surpreendo. Em um ano no qual um membro do Exército da comitiva presidencial foi pego traficando cocaína, e soldados são absolvidos depois de fuzilarem um carro de família e matarem duas pessoas, tudo é possível.

Eu quero saber quando é que as instituições no Brasil voltarão a agir com responsabilidade.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum