Imprensa livre e independente
11 de outubro de 2013, 17h07

Extermínio de jovens negros preocupa autoridades brasileiras

Em homicídios, o Brasil está entre os piores lugares do mundo, mas a situação é ainda mais drástica em relação aos jovens negros

Em homicídios, o Brasil está entre os piores lugares do mundo, mas a situação é ainda mais drástica em relação aos jovens negros Por Karine Melo, na Agência Brasil “Não adianta só chegar a verba, tem que chegar o verbo para que haja uma transformação”, disse o rapper e escritor Gog (Foto Agência Brasil) A violência contra a juventude negra foi debatida nesta quinta-feira (10) pela Comissão de Direitos Humanos do Senado. De acordo com o estudo “A Cor dos Homicídios no Brasil”, feito pelo coordenador da área de estudos da violência da Faculdade Latino-Americana (RJ), Júlio Jacobo Waiselfisz, de...

Em homicídios, o Brasil está entre os piores lugares do mundo, mas a situação é ainda mais drástica em relação aos jovens negros

Por Karine Melo, na Agência Brasil

“Não adianta só chegar a verba, tem que chegar o verbo para que haja uma transformação”, disse o rapper e escritor Gog (Foto Agência Brasil)

A violência contra a juventude negra foi debatida nesta quinta-feira (10) pela Comissão de Direitos Humanos do Senado. De acordo com o estudo “A Cor dos Homicídios no Brasil”, feito pelo coordenador da área de estudos da violência da Faculdade Latino-Americana (RJ), Júlio Jacobo Waiselfisz, de 2001 a 2010, enquanto a morte de jovens brancos no país caia 27,1%, a de negros crescia 35,9%.

Com base em dados do Sistema de Informações de Mortalidade, do Ministério da Saúde, a pesquisa revela que no Brasil as maiores vítimas de violência são jovens negros, com baixa escolaridade. O racismo é a maior motivação para os crimes. Alagoas, Espírito Santo, Paraíba, Pará, Distrito Federal e Pernambuco são as unidades da federação que mais registram casos de homicídios contra negros.

Veja também:  Moro determinou a procuradores condições para homologar delações: "É um tipo de barganha"

Outro dado da pesquisa mostra que em 2010 quase 35 mil negros foram assassinados no país. ‘Os números deveriam ser preocupantes para um país que aparenta não ter enfrentamentos étnicos, religiosos, de fronteiras, raciais ou políticos. Representam um volume de mortes violentas bem superior ao de muitas regiões do mundo, que atravessaram conflitos armados internos ou externos’ avalia o pesquisador.

‘É uma situação alarmante que coloca o Brasil entre piores lugares do mundo em relação a homicídio – sétimo lugar – mas em relação a morte de jovens negros, nós somos um dos primeiros países. O governo reconhece que é um problema histórico que afeta especificamente a juventude negra’, disse Fernanda Papa, da Secretaria Nacional da Juventude da Presidência da República.

Segundo Fernanda, a criação do Plano Juventude Viva, no ano passado, foi uma primeira resposta do governo federal ao problema. Em diferentes programas, a estratégia tem cerca de 40 ações em conjunto com estados e municípios com objetivo de colocar a juventude negra na pauta das políticas públicas.

Veja também:  "Esquema Bolsonaro" de robôs continua ativo e levantou hashtag #EduardoEmbaixadorSim

Representes de vários movimentos sociais cobraram uma ação mais forte nas áreas de educação e segurança para frear a violência contra jovens negros. ‘O racismo é um problema que vai além dos livros. Falta um grande pacto social para que as políticas públicas toquem as pessoas de uma maneira geral. Não adianta só chegar a verba, tem que chegar o verbo para que haja uma transformação’, disse o rapper e escritor Gog.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum