Imprensa livre e independente
11 de novembro de 2016, 16h21

Extrema direita começa a atacar minorias nos EUA após vitória de Trump

Manifestações xenofóbicas, racistas e islamofóbicas têm se intensificado depois da eleição de terça-feira Por Redação O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, organizou sua campanha com base em discursos violentos, de ódio as minorias e de preconceito. Desde que foi eleito na última terça-feira (8), diversos grupos de extrema-direita passaram a se sentir no direito de atacar essas minorias. Diversos relatos de pessoas latinas, negras e muçulmanas têm aparecido nas redes sociais. Uma garota conta que sua amiga muçulmana foi ameaçada por um eleitor do Trump que apontou uma faca para ela. Um homem negro gravou um vídeo que mostra...

Manifestações xenofóbicas, racistas e islamofóbicas têm se intensificado depois da eleição de terça-feira

Por Redação

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, organizou sua campanha com base em discursos violentos, de ódio as minorias e de preconceito. Desde que foi eleito na última terça-feira (8), diversos grupos de extrema-direita passaram a se sentir no direito de atacar essas minorias.

Diversos relatos de pessoas latinas, negras e muçulmanas têm aparecido nas redes sociais. Uma garota conta que sua amiga muçulmana foi ameaçada por um eleitor do Trump que apontou uma faca para ela. Um homem negro gravou um vídeo que mostra seu carro vandalizado com a frase: “Vai se f…., negro”. Uma outra garota muçulmana teve seu hijab arrancado por um eleitor do Trump.

Outro tweet conta que crianças em uma escola na Califórnia levaram cartas de deportação aos colegas mexicanos.

Veja aqui alguns posts que já estão circulando nas redes:

Veja também:  The New Yorker diz que Marta “permitiu às meninas sonharem em ser algo que jamais viram”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum