Imprensa livre e independente
17 de janeiro de 2018, 07h33

Fernando Pimentel cria cotas para negros, índios e pessoas de baixa renda em sua gestão em MG

Segundo o projeto, de autoria do próprio chefe do executivo, 20% das vagas do concurso para a escola da Fundação João Pinheiro ficarão para as pessoas negras, 3% para os indígenas e 17% para pessoas de baixa renda, que tiverem estudado em escolas públicas.

Segundo o projeto, de autoria do próprio chefe do executivo, 20% das vagas do concurso para a escola da Fundação João Pinheiro ficarão para as pessoas negras, 3% para os indígenas e 17% para pessoas de baixa renda, que tiverem estudado em escolas públicas. Da Redação* O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), sancionou uma lei que prevê a criação de cotas para negros, indígenas e pessoas de baixa renda cursarem administração pública na escola de governo da Fundação João Pinheiro. De acordo com o projeto, de autoria do próprio chefe do executivo, 20% das vagas do concurso ficarão...

Segundo o projeto, de autoria do próprio chefe do executivo, 20% das vagas do concurso para a escola da Fundação João Pinheiro ficarão para as pessoas negras, 3% para os indígenas e 17% para pessoas de baixa renda, que tiverem estudado em escolas públicas.

Da Redação*

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), sancionou uma lei que prevê a criação de cotas para negros, indígenas e pessoas de baixa renda cursarem administração pública na escola de governo da Fundação João Pinheiro. De acordo com o projeto, de autoria do próprio chefe do executivo, 20% das vagas do concurso ficarão para as pessoas negras, 3% para os indígenas e 17% para pessoas de baixa renda, que tiverem estudado em escolas públicas.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Nas cotas dos negros e indígenas, o concorrente precisa se declarar preto ou pardo ou índio. Para as pessoas de baixa renda, além de ter cursado ensino médio na rede pública, é necessário comprovar renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo.

Veja também:  Curso de formação da Polícia Civil-SP inclui obras de Djamila Ribeiro e Silvio de Almeida na bibliografia

Com as cotas, o formando será nomeado para cargo na carreira de especialista em políticas públicas e gestão governamental nível 1 grau A. O salário é de 5,1 mil, com jornada de 40 horas semanais.

*Com informações do Brasil 247

Foto: Veronica Manevy/Fotos Públicas

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum